Quando as tempestades vierem, vamos estar atentos aos mais pobres - CIDSE

Quando as tempestades chegarem, tenhamos em mente os mais pobres

A poucas semanas das negociações climáticas de Doha, a UE precisa honrar suas promessas de apoiar financeiramente os países em desenvolvimento a lidar com os impactos das mudanças climáticas. Sandy nos lembrou o porquê, diz Dom Theotonius Gomes, Presidente da Caritas Bangladesh

Como as negociações internacionais sobre o clima estão prestes a reabrir daqui a algumas semanas em Doha (26 de novembro a 7 de dezembro de 2012), a UE precisa honrar suas promessas de apoiar os países em desenvolvimento financeiramente a lidar com os impactos das mudanças climáticas.

Os olhos do mundo estavam em Nova York quando a super tempestade Sandy se aproximou dela no final de outubro, deixando para trás um rastro de devastação ao longo das costas orientais da América Central e dos Estados Unidos. Ao contrário de muitos outros países afetados, os EUA estão bem preparados para lidar com desastres naturais violentos. Mesmo que cada vida perdida seja uma a mais, relativamente poucas pessoas morreram nos EUA. Se uma tempestade semelhante tivesse atingido as costas do sul de Bangladesh, muitas vidas seriam perdidas e ainda mais pessoas não teriam mais um teto sobre suas cabeças e nenhum serviço para recorrer.

Uma pesquisa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) descobriu que desastres naturais entre o 1980 e o 2002 causaram uma média de mortes de 17 por tempestade nos EUA, em comparação com quase o 2,000 em Bangladesh. Tempestades são igualmente brutais em qualquer lugar; mas a perda de vidas e devastações podem ser controladas de acordo com a capacidade de enfrentá-las. Isso inclui capacidade financeira. Enquanto países desenvolvidos como os EUA o possuem, Bangladesh ainda precisa desenvolver essa capacidade e precisa de apoio para isso.

Embora já sejam feitos muitos esforços, Bangladesh nunca estará preparado o suficiente sem a assistência da UE e de outros países desenvolvidos. Os acordos para apoiar os países em desenvolvimento que enfrentam impactos cada vez mais sérios da mudança climática remontam à 2009.

Os países desenvolvidos criaram um fundo, o Green Climate Fund (GCF), prometendo US $ 100 bilhões por ano pela 2020 para as necessidades climáticas dos países em desenvolvimento. Em dezembro, o primeiro período de financiamento climático termina, mas não há garantias sobre o futuro do financiamento a partir do 2013.

Neste momento, existe uma necessidade urgente de desembolsar dinheiro novo para países vulneráveis ​​às mudanças climáticas. Caso contrário, a partir de janeiro de 2013 e nos próximos anos, países como Bangladesh poderão ter que combater o aumento do nível do mar, as chuvas irregulares e o clima cada vez mais extremo por conta própria, sem os meios adequados para fazê-lo.

Estamos felizes por a UE reconhecer que há um imperativo moral para agir, enfatizando a necessidade de solidariedade e apoio aos países em desenvolvimento para resolver um problema pelo qual não são responsáveis. Mas os mais pobres do mundo precisam estar no centro das negociações conclusivas de um novo acordo climático global e isso exige compromissos financeiros claros.

Por conseguinte, exorto os Ministros das Finanças da UE, que se reúnem no 13 em novembro, aumem a ação concreta antes da cúpula climática de Doha.

Na cúpula climática do ano passado, em Durban, a UE conseguiu trabalhar em conjunto com os grupos dos países menos desenvolvidos e dos pequenos Estados insulares para levar as negociações além do impasse. Será um ponto positivo importante para a UE avançar nessa colaboração na cúpula climática de Doha, o que será difícil sem primeiro fazer grandes progressos no financiamento climático.

Um sinal positivo da UE, olhando além da atual situação econômica global difícil e restabelecendo sua liderança, pode dar um impulso real às próximas negociações sobre o clima em Doha. Espero e rezo por isso.

Mons. Theotonius Gomes é um bispo católico romano de Bangladesh e tem defendido a justiça climática junto com CIDSE desde a cúpula internacional do clima 2008 em Poznan, Polônia.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em O Huffington Post

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange