Comunicado de imprensa: Sociedade civil envia propostas aos líderes europeus na Cúpula UE-CELAC - CIDSE
Fonte: CONCORD

Comunicado de imprensa: A sociedade civil envia suas propostas aos líderes europeus na Cúpula UE-CELAC

Fonte: CONCORD

Bruxelas, 20 May 2015; Em 10 e 11, em junho, oUMUMX, Bruxelas sediará a Segunda Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da União Européia e da América Latina e Caribe; uma reunião de alto nível que reunirá líderes políticos da 2015. Prevendo esta reunião, organizações da sociedade civil das duas regiões, lideradas pela CONCORD e pelas redes latino-americanas Mesa de Articulación, publicaram um afirmação hoje. Este comunicado de imprensa está disponível em EN / ES / FR.

O documento foi enviado à Alta Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini, e ao Comissário Europeu para a Cooperação e Desenvolvimento Internacional, Neven Mimica, entre outros líderes, e inclui uma série de propostas concretas para igualdade socioeconômica, sustentabilidade ambiental, direitos humanos e participação cidadã. A declaração deixa claro que para a sociedade civil, direitos humanos devem ter precedência sobre interesses comerciais nas relações bilaterais UE-CELAC.

As redes da UE ACT Alliance EU, Alianza pela Solidariedade, CIDSE, Cifca, Oidhaco e Grupo Sur, representando mais de organizações 100, assinaram a declaração que afirma que as atuais relações entre as duas regiões se baseiam principalmente em uma relação desigual na qual recursos naturais estão sendo agressivamente extraídos por empresas européias na América Latina, sem levar em conta os impactos disso sobre os direitos humanos e o desenvolvimento.

“Este modelo econômico tem um impacto negativo no meio ambiente e no acesso à terra e à soberania alimentar dos povos latino-americanos”, afirmam as organizações abaixo assinadas. Também lembram que “é urgente pressionar por processos de controle e transparência das empresas, para garantir que implementem a consulta prévia e due diligence”.

Acordos de livre comércio versus direitos humanos

A UE desempenha um papel crucial na América Latina, sendo o seu terceiro maior parceiro comercial, porém “os Acordos de Livre Comércio (TLCs) favoreceram os interesses das corporações transnacionais à custa dos direitos humanos ”, afirma o comunicado. Por isso, as redes signatárias insistem em que essas relações bi-regionais não devem ser baseadas apenas no livre comércio e na proteção dos investimentos europeus.

As propostas contidas no afirmação, incluem a criação de um instrumento vinculativo para regular as atividades das empresas transnacionais garantir que apliquem os mesmos padrões de respeito pelos direitos humanos dentro e fora das fronteiras da UE.

A UE já assinou acordos comerciais com Chile, México e seis países da América Central e um TLC com a Colômbia e o Peru. No momento, a UE está negociando a adição do Equador ao último tratado e acelerou as negociações com Cuba.

Protesto social; uma atividade de alto risco

Atualmente, em muitos países da América Latina, os protestos sociais podem custar vidas. As populações locais na América Latina não concordam com muitos grandes projetos europeus e, como resultado, houve um aumento acentuado da tendência de perseguir, estigmatizar e criminalizar atividades de protesto social. “A defesa dos direitos humanos na América Latina é cada vez mais perigosa, só na Colômbia os assassinatos passaram de 32 em 2010 para 78 em 2013 e na Guatemala, durante o mesmo ano, foram registrados 657 casos de agressão”, destacam as organizações abaixo assinadas. o UE não deve fechar os olhos a esta grave violação dos direitos humanos.

“A sociedade civil das duas regiões deve ser levada em consideração na tomada de decisões que afetam o futuro das pessoas”, afirmam as redes. De fato, a declaração também enfatiza a necessidade de incluir mecanismos para avaliar o impacto das políticas bi-regionais e garantir que o público seja consultado e possa participar ativamente. “Apoio financeiro, informação acessível e transparência são essenciais para garantir a participação efetiva das organizações”, concluem.

As organizações que assinam o comunicado esperam que suas mensagens sejam levadas em consideração e pedem aos líderes das duas regiões que sigam o tema da cúpula: “Moldando nosso futuro comum: trabalhando por sociedades prósperas, coesas e sustentáveis ​​para nossos cidadãos”.

ACTO ALIANÇA UE - ALIANZA POR LA SOLIDARIDAD - CIDSE - CIFCA - GRUPO SUR - OIDHACO

 

Pessoa de contato na CIDSE: Stefan Reinhold: reinhold (at) cidse.org

 

PT-Declaração de comunicado à imprensa CSF EU -CELAC
FR-Comunicado de imprensa da sociedade civil UE-CELAC
ES-Comunicado Prensa Declaración Sociedad Civil UE-CELAC

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange