Comunicado de imprensa: UE, permita que os cidadãos façam mudanças: priorize o consumo e a produção sustentáveis! - CIDSE

Comunicado de imprensa: UE, permita aos cidadãos fazer mudanças: priorize o consumo e a produção sustentáveis!

Antes do lançamento do pacote de ação da Comunicação da Comissão Europeia (CE) sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e antes da revisão do Consenso Europeu de Desenvolvimento, a CIDSE e a FTAO unem suas vozes para enfatizar a importância da mudança nos estilos de vida para construir um futuro sustentável para a Europa e não só.

A UE não deve perder a oportunidade de assumir a sua responsabilidade e incentivar os cidadãos a mudarem estilos de vida, permitindo-lhes abraçar e apoiar formas sustentáveis ​​de produção e consumo. O apelo à mudança e à inovação já está sendo dirigido à UE de baixo para cima, de uma multiplicidade de atores em toda a Europa. Os cidadãos exigem a capacidade de escolher entre alternativas de consumo mais sustentáveis; eles querem ser ativados para fazer as alterações necessárias. Eles estão cada vez mais conscientes das conseqüências de suas escolhas no meio ambiente e nos meios de subsistência das populações em muitos países mais pobres. Acima de tudo, os cidadãos não querem, por meio de suas escolhas diárias de consumo, serem cúmplices em esquemas de negócios e sistemas de produção que violar direitos humanos e prejudicar a natureza.

Entre esses cidadãos estão os reunidos pela rede CIDSE, composta por organizações 18 que alcançam na Europa cerca de 3 milhões de pessoas. A rede CIDSE se juntou à campanha “Mudança para o planeta - cuidar das pessoas”, Ampliando o desafio de adotar hábitos de consumo mais sustentáveis ​​em relação a alimentos e energia. “Mais e mais movimentos e organizações fora de nossa rede, incluindo o Federação Internacional de Movimentos Católicos Adultos Rural, Centro Social Europeu dos Jesuítas, Caritas Europa, Federação Internacional dos Movimentos Juvenis Paroquiais Católicos, Movimento dos Focolari, ICMS Pax Romana e o Movimento Global pelo Clima Católico estão se envolvendo nas ações da campanha, demonstrando a crescente vontade da sociedade civil, incluindo a juventude, de se mobilizar e se comprometer com estilos de vida sustentáveis. ”disse Bernd Nilles, Secretário Geral do CIDSE.

O Comércio Justo é uma iniciativa concreta de baixo para cima, desafiando os padrões convencionais de consumo e produção. É uma parceria comercial que, desde o seu início, incluiu as várias dimensões do desenvolvimento sustentável, capacitando os produtores a aderirem ao movimento do Comércio Justo. o Escritório de Defesa do Comércio Justo, representando os pioneiros do crescente movimento global de comércio justo (Comércio Justoeu, o Organização Mundial do Comércio Justo-Global e o Organização Mundial de Comércio Justo-Europa), insta a União Europeia a garantir uma melhor coordenação entre as políticas internas e externas da UE na promoção do consumo e da produção sustentáveis. Por exemplo, em abril, a Comissão Européia emitiu orientações sobre o documento de compras públicas “Comprar Verde”, 2016, sobre os impactos ambientais da decisão de compra por autoridades públicas, em vez de publicar orientações sobre como as compras públicas podem servir como uma ferramenta que suporta as várias dimensões da sustentabilidade. , na UE e no Sul global. “Comprar verde ou social é um falso dilema. A União Européia precisa romper os silos e implementar uma abordagem coordenada para o consumo e a produção sustentáveis. ”Disse Sergi Corbalán, diretor executivo da ALCO.

A Consenso Europeu de Desenvolvimento, atualmente em revisão, também é identificado pelo CIDSE e pela ALCA como uma oportunidade para promover padrões de consumo que melhor conectem consumidores e produtores, permitindo que os cidadãos entendam e controlem o impacto de seu consumo no desenvolvimento sustentável. Deve promover modelos de negócios sustentáveis ​​centrados nas pessoas, especialmente na agricultura, onde os investimentos e as políticas devem favorecer práticas agroecológicas não poluentes e seguras para o clima, baseadas na tecnologia construída na prática cultural e no conhecimento e sabedoria da comunidade. Por outro lado, o Consenso deve reconhecer a considerável responsabilidade européia de promover a mudança necessária para alcançar a nova agenda. A UE deve parar de promover o modelo econômico prevalecente, baseado no contínuo extração de matérias-primas, particularmente do Sul global, para satisfazer as necessidades da indústria e dos mercados europeus. Este é um modelo insustentável e injusto, baseado em privilégios, produzindo uma quantidade incontrolável de resíduos e funcionando graças à exploração de comunidades sem poder.

Através de iniciativas locais, como a Campanha Fair Trade Town, as comunidades na Europa já estão abrindo o caminho para novos modelos sociais e econômicos europeus que promovem padrões de produção e consumo sustentáveis ​​e cidadania global. Devem ser o ponto de partida de um consenso de desenvolvimento renovado, promovendo os pilares econômico, ambiental e social da sustentabilidade. - FIM

Notas aos editores:

O CIDSE é uma família internacional de organizações católicas de justiça social, trabalhando juntas para promover a justiça, aproveitar o poder da solidariedade global e criar mudanças transformacionais para acabar com a pobreza e as desigualdades. Fazemos isso desafiando a injustiça e a iniquidade sistêmica, bem como a destruição da natureza. Acreditamos em um mundo onde todo ser humano tem o direito de viver com dignidade. www.cidse.org

Recomendações da CIDSE para a revisão do Consenso Europeu de Desenvolvimento: Faça dos direitos humanos e da proteção ambiental os fundamentos!

O Escritório de Defesa do Comércio Justo (ALCO) fala em nome do movimento de Comércio Justo pela Justiça e Comércio Justo, com o objetivo de melhorar os meios de subsistência de produtores e trabalhadores marginalizados no Sul. A ALCA é uma iniciativa conjunta da Fairtrade International, da Organização Mundial do Comércio Justo e da Organização Mundial do Comércio Justo-Europa.

Kit de ferramentas da ALCO "Localizando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) através do Comércio Justo"

Fale detalhes:

Valentina Pavarotti, Diretora de Mídia e Comunicação do CIDSE
+ 32 (0) 2 2824073, pavarotti@cidse.org

Alice Sinigaglia, Coordenadora do Projeto da ALCO
+ 32 (0) 2 54 31 923, sinigaglia@fairtrade-advocacy.org

 

PR_EU_Enable_citizens_to_make_change_CIDSE_FTAO.pdf

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais