Comunicado de imprensa: França adota dever corporativo de lei de vigilância: um primeiro passo histórico para melhores direitos humanos e proteção ambiental - CIDSE
Comunicado de imprensa
Elliott Brown

Comunicado de imprensa: a França adota o direito corporativo de vigilância: um primeiro passo histórico em direção a melhores direitos humanos e proteção ambiental

Elliott Brown

O Parlamento francês adotou uma lei muito aguardada que estabelece um dever de obrigação de vigilância para as empresas-mãe e subcontratadas. A lei marca um passo histórico no sentido de melhorar o respeito corporativo pelos direitos humanos e pelo meio ambiente. O CIDSE e suas organizações membros exortam os países europeus, as instituições da UE e a comunidade internacional a desenvolver legislação semelhante.

A lei, que se aplica apenas às maiores empresas francesas, fará com que estas avaliem e tratem dos impactos adversos de suas atividades sobre as pessoas e o planeta, publicando planos anuais de vigilância pública. Isso inclui impactos vinculados a suas próprias atividades, as de empresas sob seu controle e as de fornecedores e subcontratados, com os quais eles mantêm uma relação comercial estabelecida.

Quando as empresas não cumprem essas obrigações, a lei autoriza as vítimas e outras partes interessadas a levar a questão a um juiz. Os juízes podem aplicar multas de até € 10 milhões quando as empresas não publicarem planos. As multas podem chegar a € 30 milhões se essa falha resultar em danos que, de outra forma, seriam evitáveis.

Apesar de ser uma conquista importante, as organizações da sociedade civil francesa argumentam que o texto da lei poderia ter sido mais ambicioso. O escopo da lei é limitado, cobrindo apenas as grandes empresas 100. O ônus da prova ainda recai sobre as vítimas - que geralmente não têm meios de buscar justiça - acentuando ainda mais o desequilíbrio de poder entre grandes empresas e vítimas de abuso. Além disso, se ocorrerem danos, apesar de uma empresa-mãe ter implementado um plano de vigilância adequado, a empresa não será responsável: uma empresa não é obrigada a garantir resultados, mas apenas para provar que fez tudo ao seu alcance para evitar danos.

A França deu um primeiro passo, mas deve ser seguida por legislação vinculativa semelhante em nível nacional, europeu e internacional, para fazer a globalização funcionar para todos. O CIDSE se junta ao Forum Citoyen pour la RSE, no qual o membro do CIDSE, CCFD-Terre Solidaire, é um participante ativo, solicitando ao governo francês que continue nesse caminho e que promova o dever da lei de vigilância nos níveis europeu e internacional, e mostre apoio para outras iniciativas que visam melhorar a responsabilidade corporativa, como o Tratado das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos.

Embora a França seja o primeiro país a adotar legislação vinculativa desse tipo, o desenvolvimento faz parte de um movimento maior em toda a Europa. Atualmente, legislação semelhante está sendo considerada na Suíça, na Holanda e no Reino Unido.

Numerosas chamadas foram feitas pelo Conselho da UE, Conselho da Europa, Parlamento Europeu e o G7 destacando a necessidade de melhorar a responsabilidade corporativa e o acesso à justiça para as vítimas, especialmente no que diz respeito aos direitos humanos e aos abusos ambientais que ocorrem nas cadeias de fornecimento e subcontratação.

O CIDSE e suas organizações membros estão acompanhando de perto as negociações do instrumento internacionalmente vinculativo sobre corporações transnacionais e outras empresas de negócios com respeito aos direitos humanos (Tratado da ONU sobre negócios e direitos humanos) para garantir que seus mecanismos protejam os mais vulneráveis ​​contra abusos corporativos e permitir o acesso à justiça. A CIDSE espera que esse avanço histórico contribua para a adoção de um tratado forte.

- FIM -

Mais informação:
Kelly Di Domenico, Diretora de Mídia e Comunicação, didomenico (at) cidse.org, Tel: + 32 (0) 2 282 40 73, Celular: + 32 (0) 4 595 55 50

 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais