Tomando forma: Elementos para um Tratado da ONU sobre negócios e direitos humanos - CIDSE
Crédito: Alan Whelan / Trócaire

Tomada de forma: elementos para um Tratado da ONU sobre empresas e direitos humanos

Crédito: Alan Whelan / Trócaire

O CIDSE congratula-se com a publicação no 2 de outubro de elementos para o instrumento internacional juridicamente vinculativo para empresas transnacionais e outras empresas comerciais no que diz respeito aos direitos humanos, pelo Presidente-Relator do Grupo de Trabalho Intergovernamental das Nações Unidas (IGWG) sobre este assunto.

No 2016, quase quatro pessoas eram mortas a cada semana protegendo suas terras de indústrias como mineração, exploração madeireira e agronegócios em países como Colômbia e Filipinas. Novembro deste ano marcará o aniversário de dois anos do colapso da barragem da Samarco, o pior desastre ambiental da história do Brasil, afetando centenas de milhares de pessoas. Existe uma forte demanda das comunidades no terreno por ações internacionais urgentes para combater os flagrantes desequilíbrios de poder entre empresas e pessoas transnacionais e garantir a proteção dos direitos humanos.

Os elementos refletem as discussões substantivas e de alta qualidade da primeira e da segunda sessões do IGWG, com base em um processo aberto e credível. Ao destacar obrigações, prevenção, responsabilidade, solução efetiva, jurisdição, cooperação internacional e primazia da lei de direitos humanos sobre acordos de comércio e investimento, os objetivos do instrumento e seções dos elementos respondem a lacunas reconhecidas quando as ações em nível nacional e regional não foram adequados para prevenir ou remediar abusos no contexto de atividades corporativas transnacionais.

Os elementos incluem formas de fortalecer os mecanismos preventivos, reforçando a abordagem de devida diligência dos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Negócios e Direitos Humanos. Eles fazem referência a importantes desenvolvimentos recentes na legislação nacional, em particular a legislação francesa de 2017 que exige que as grandes empresas adotem planos de vigilância preventiva. Isto ilustra o papel e a oportunidade para a Europa contribuir com a experiência legislativa na região, ao mesmo tempo que percebe o potencial de melhorar os padrões globais e a igualdade de condições.

Há um impulso crescente para o Tratado da ONU em muitos setores da sociedade. Dos Estados 20 que votaram na resolução 2014 que estabelece o processo do Tratado, alguns Estados 80 participaram da sessão do IGUMG 2016. Para o Sessão 3rd a partir de outubro da 23, todos os Estados deverão estar preparados para negociar o conteúdo do Tratado, considerando cuidadosamente o potencial dos elementos e sua implementação efetiva para acabar com os abusos dos direitos humanos relacionados às empresas.

Contato: Denise Auclair, Assessora Sênior (auclair (at) cidse.org)

 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange