Dia 3 das negociações do Tratado da ONU - Prevenção e acesso à justiça inspiram as discussões mais construtivas até agora - CIDSE
© CIDSE

Dia 3 das negociações do Tratado da ONU - Prevenção e acesso à justiça inspirou as discussões mais construtivas até agora

© CIDSE

O terceiro dia previu intervenções significativas nos dois principais itens da agenda: medidas preventivas e acesso à justiça. A Delegação da UE participou ativamente da palavra com discursos mais construtivos sobre esses temas. Por outro lado, os Estados-Membros da UE parecem confortáveis ​​em permanecer atrás da instituição, com a notável exceção da França. A sociedade civil ainda espera que a UE, os Estados-Membros e outros Estados permaneçam plenamente envolvidos nas sessões atuais e futuras.

A prevenção é fundamental, mas precisa ser legalmente aplicada
As obrigações corporativas de due diligence em direitos humanos foram discutidas no capítulo 4 dos elementos preliminares sobre medidas preventivas. A sala apresentou um consenso geral em torno da ideia de que a prevenção é fundamental ao lidar com os impactos dos direitos humanos no contexto das operações comerciais. Os Delegados de Estado que tomaram a palavra concordaram em geral com a importância dos mecanismos de due diligence, com exceção da Rússia, que se opôs à inclusão deste capítulo. Um ponto importante foi acrescentado por representantes de Estados com riqueza natural, incluindo África do Sul, Namíbia, Brasil e Palestina, sobre a necessidade especial de prevenção e proteção a esse respeito.

A Delegação da UE se referiu à prevenção como “um objetivo compartilhado” e apresentou diversas questões para esclarecimento, como se as obrigações de due diligence em direitos humanos, conforme esboçadas nos elementos, se aplicariam às pequenas e médias empresas domésticas, que fazem parte do suprimento global correntes. O amplo apoio aos requisitos corporativos de due diligence dos direitos humanos, expressos na sala, reforça as demandas que a CIDSE e muitas outras pessoas vêm apresentando nos últimos anos. Medidas voluntárias para fazer as corporações implementarem mecanismos para identificar, prevenir, remediar e dar conta dos impactos dos direitos humanos em suas operações globais se mostraram insuficientes.

A discussão de quarta-feira ilustrou que os diferentes desenvolvimentos legais que ocorrem em alguns estados como a França estão começando a ecoar no nível internacional. Muitos delegados se referiram aos franceses dever da lei de vigilância, que tem como principal elemento o dever de uma empresa de adotar um plano de vigilância. A lei também é referenciada nos Elementos de Rascunho. A França foi o único Estado Membro da UE a tomar a palavra, com o Delegado enfatizando sua disposição sobre responsabilidade civil corporativa.

A lacuna de responsabilidade não é mais uma questão
Os dois últimos itens, cobertos durante a tarde, foram responsabilidade e acesso à justiça (capítulos cinco e seis da Elementos de rascunho) Um momento marcante foi o intervenção da Santa Sé. O Delegado chamou a atenção clara para a assimetria na estrutura internacional de direitos e deveres corporativos, o que permitiu que as empresas se esquivassem da responsabilidade. O representante pediu, assim, regulamentos e mecanismos de aplicação mais fortes.

Durante o tempo permitido para representantes da sociedade civil de comunidades de diferentes regiões, incluindo povos indígenas e muitas mulheres, falou para deixar claro que o estabelecimento de responsabilidade corporativa é essencial e não opcional, a fim de solucionar a lacuna atual e desumanizante da responsabilidade.

Acesso à justiça: mais precisa ser feito
O Presidente do Grupo de Trabalho da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos chamou a atenção para os vários relatórios do grupo contendo recomendações claras e lembrou que o próximo Fórum de Negócios e Direitos Humanos, em novembro, terá como foco o acesso a remédios. Em aliança com outras organizações da sociedade civil, a CIDSE tem trabalhado na identificação dos atuais obstáculos ao acesso à justiça para abusos de direitos humanos corporativos, exortando os Estados e a UE tomar reformas destinadas a aliviar e eliminar esses obstáculos.

De fato, a participação dos delegados nessa questão talvez tenha sido o ponto mais marcante do dia: um acordo geral (novamente com exceção da Rússia) sobre a existência do problema. Sem levantar sua posição reservada geral sobre o documento, o Delegado da UE veio expressar o acordo geral da UE com o parágrafo introdutório sobre o acesso à justiça. Referência à Agência dos Direitos Fundamentais da UE Comente sobre o acesso à justiça adotado neste ano, o delegado anunciou que, como acompanhamento, a Comissão Européia havia solicitado à agência a realização de pesquisas sobre mecanismos de recursos judiciais e extrajudiciais nos Estados Membros. O Delegado, no entanto, questionou como exatamente os Projetos preliminares pretendem ir além das obrigações existentes para os Estados, que já cobrem esta questão.

A necessidade específica de abordar ameaças e obstáculos especiais enfrentados pelas mulheres também foi enfatizada por vários participantes do painel. As mulheres não são apenas particularmente afetadas por violações dos direitos humanos das empresas, mas também enfrentam encargos adicionais para acessar a justiça. Sem um forte enfoque de gênero, o acesso justo à justiça não será alcançado.

Publicado com o amável apoio do ECCJ.

 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange