Grilagem de terras na África francófona: identificando e fortalecendo soluções endógenas - CIDSE
Crédito: CIDSE

Captação de terras na África francófona: identificando e fortalecendo soluções endógenas

Crédito: CIDSE

Conferência Regional, Abidjan, 21-23, novembro de 2017.

Mais de representantes da 70 de instituições religiosas e grupos religiosos africanos, movimentos sociais e iniciativas de base, bem como organizações não-governamentais da África, Europa e América se reuniram na semana passada em Abidjan, com o lema “Agarramento de terras na África francófona: identificando e fortalecendo soluções endógenas ”.

O evento foi organizado pela plataforma “Nossa terra é nossa vida”, estabelecida no conferência sobre “Agressão à terra e governança justa na África” em Limuru / Quênia, no 2015, que reuniu atores da igreja e de outras igrejas para trocar conhecimentos e estratégias sobre a apropriação de terras.

A conferência de Abidjan teve como objetivo compartilhar conhecimento com base nas práticas das comunidades africanas e desenvolver estratégias para impedir a apropriação de terras na África, além de construir redes e fortalecer movimentos na África e entre a África e outros continentes. Era também um espaço para reflexão e discussão sobre questões de apropriação de terras na perspectiva de Laudato Si ' e ensinamentos sociais da Igreja Católica.

Comitê Organizador

O comitê organizador consistiu de RECOWA / CERAO (Conferência Episcopal Regional da África Ocidental), AFJN (Rede Africana de Fé e Justiça), AEFJN (Rede Africana de Fé e Justiça da Europa), CIDSE, CIKODEV África (Instituto Pan-Africano de Pesquisa, Treinamento e Ação Cidadania, Consumidor e Desenvolvimento na África), Jinukun-COPAGEN (Coalizão para a Proteção do Patrimônio Genético Africano), AFSA (Aliança Africana de Soberania Alimentar), CIKOD (Centro de Conhecimento Indígena e Desenvolvimento Organizacional) e CGLTE (Convergência Global em Terras e Lutas pela água).

As organizações membros da CIDSE que apoiaram esta iniciativa foram CAFOD, KOO / DKA, Fastenopfer, Manos Unidas e MISEREOR com 19 parceiros participantes da República Democrática do Congo, Gana, Madagascar, Mali, Tchad e Senegal, juntamente com MISEREOR e funcionários do Secretariado da CIDSE.

 

 

 

 

 

No primeiro dia, a conferência foi aberta por pe. Joseph Aka, Secretário Geral da RECOWA, Conferência Episcopal Regional da África Ocidental.

Sessão de abertura do 1

 

O primeiro painel consistiu nos seguintes alto-falantes (da esquerda para a direita):

• Coronel ME Kouamé Martial, Representante do Ministério da Água e Floresta
Bispo Lucius Ugorji, Presidente da Comissão de Justiça e Paz
• Bispo Alexis Toubali, vice-presidente da XIXUMX da RECOWA
• Bispo Joseph Spiteri, Núncio Apostólico na Costa do Marfim
Claire Quenum, Representante da AFSA (Aliança pela Soberania Alimentar na África)
• Kadidja Koné, representante da CGLTE (convergência global de lutas por terra e água)

 

 

 

 

Os palestrantes reconheceram o fato de que a apropriação de terras está aumentando na África e é uma questão que precisa ser enfrentada.

Bispo Joseph Spiteri: “A apropriação de terras se espalha em todas as regiões da África. Devemos avaliar: Quais são as diferentes formas de apropriação de terras? Como o fenômeno difere entre os países? Mas depois de analisar a situação, também precisamos agir. Precisamos discutir qual papel a igreja pode desempenhar nesse. "

Claire Quenum: "As pessoas têm o direito de se alimentar. Eles têm direito à soberania alimentar. Não ter acesso à terra e à água é uma ameaça à soberania alimentar, agroecologia, espaço para viver, espaço para manter animais. "

Kadidja Koné: "Terra, água e sementes de camponeses não são mercadorias, são bens comuns que precisam ser preservados para as gerações futuras. ”O acesso à terra deve ser garantido por meio de disposições legais nos níveis nacional, regional e continental, para proteger comunidades, mulheres e os jovens contra a discriminação. Isso implica resistir a programas de investimento como a G7-Nova Aliança para Segurança Alimentar e Nutrição na África ou outras parcerias público-privadas."

Delegação dos Bispos 3

Nove bispos do Benin, Burkina Faso, Camarões, Costa do Marfim, Gabão, Guiné, Níger e Togo viajaram para Abidjan para participar da conferência para ouvir os testemunhos de pessoas afetadas pela apropriação de terras e dialogar com comunidades, organizações de camponeses e ONGs. , grupos religiosos, movimentos sociais e outros.

5 Sr Modestine Rasolofoarivola Vahatra

Irmã Modestine Rasolofoarivola da organização Vahatra em Madagascar: “Estou aqui para conhecer as redes que se envolvem na África contra a apropriação de terras e compartilhar nosso caso Madagassy. Em Madagascar, a apropriação de terras é causada por investidores estrangeiros e os políticos não nos protegem do fenômeno. Receber títulos de terras para securitizar terras é muito complicado e caro. ”

6 Koffi Wisdom Adjawlo YVE Gana Koffi Wisdom Adjawlo, do Youth Volunteers for the Environment (YVE) em Gana, apresenta um caso de captura de terra e água envolvendo uma empresa britânica no distrito de Bole, no Gana. O trabalho apresentado é realizado em conjunto por um consórcio de atores da igreja e de outras igrejas, composto por YVE Ghana, GRAIN e o Centro de Conhecimento Indígena e Desenvolvimento Organizacional (CIKOD). “Foi prometido à comunidade uma escola, uma estrada e bons empregos pela empresa. Nada se tornou realidade. Em vez disso, eles estão perdendo suas terras agrícolas e pesqueiros. "

 Sessão plenária do 7Sessão plenária na sala de conferências do centro RECOWA.

Convergência global 8 Kadidja KoneKadidja Koné é representante do movimento social Convergência Global sobre Lutas pela Terra e pela Água e trabalhou durante anos 10 na INADES-Costa do Marfim. Ela co-facilitou a conferência.

10 Mariam Sow enda
Mariam Sow, da organização parceira senegalesa ENDA-Pronat: “Nossas experiências mostram que o trabalho de advocacy em agroecologia e boa governança fundiária deve andar de mãos dadas. É uma tarefa social. Sem um acesso justo à terra, as pessoas não podem cultivar de acordo com seus princípios agroecológicos. ”

 

WG mining Dion Horizon 3000 partner

Grupo de trabalho sobre mineração com Armand Dione, Forum Civil (Senegal)

 

GT agronegócio

Grupo de trabalho sobre agronegócios: Mamy Rakotondrainibe, Collectif Tany (Madasgacar), Koffi Wisdom, YVE (Gana) e Rose Oppong, CIKOD (Gana)

 

WG sessão ao ar livre

Grupo de trabalho sobre florestas com Lilia Ravoniarisoa (FVTM) e Merci Ralaitsiferana, agricultores de Madagascar

 

Legislação GT Parceiros Sr Modestine Jao

Grupo de trabalho sobre legislação: Ir. Modestine Rasolofoarivola de Vahatra e parceiros da rede SOA (Madagascar).

 

No último dia, a conferência terminou com a adoção de um poderoso declaração conjunta assinada por cerca de atores da igreja e não religiosos da 60. Bispos e defensores dos direitos humanos se reuniram para redigir o texto em conjunto, o que facilitou as ligações entre todos os atores ao processo político de reunir igreja e sociedade civil. Outro ponto forte da declaração é que ela captura os tópicos considerados mais importantes para as comunidades afetadas pela apropriação de terras: o direito de administrar suas terras como bens comuns na noção de soberania alimentar, a necessidade de fortalecer suas capacidades de conhecer e poder defender seus direitos e a proteção de seu engajamento, que está diminuindo cada vez mais devido à criminalização dos defensores dos direitos humanos. "Nunca tivemos uma declaração tão forte da igreja africana sobre a questão da apropriação de terras ”, afirmaram muitos participantes.

Os participantes também desenvolveram planos de ação para seus países ou regiões. por exemplo, os bispos participantes se comprometeram a estender seus conhecimentos sobre governança de terras no futuro e a divulgar as idéias da conferência dentro das instituições da igreja. O Grupo de Trabalho da África Ocidental deseja estabelecer um grupo de aplicativos Whats para ter um canal de comunicação imediato quando se trata de atividades contra a grilagem de terras no terreno.

 

sessão de elaboração de declaração

Sessão de redação de declarações.

 

Veja também o Relatório da conferência para mais detalhes (disponível apenas em francês).

 

FR-Déclaration de la conférence d'Abidjan
Declaração da conferência EN-Abidjan

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange