Defensores ambientais em risco - CIDSE
© CIDSE

Defensores ambientais em risco

© CIDSE

Uma entrevista com o Padre Rodrigo Peret da Franciscans International, membro da rede Iglesias & Mineria e do People's Dialogue, sobre sua recente prisão no Zimbábue e as ameaças que os defensores ambientais enfrentam em todo o mundo.

Pessoas de todo o mundo colocam suas vidas em risco para defender nosso planeta ou defender direitos humanos, mas isso atrai a atenção da grande mídia apenas esporadicamente quando eventos dramáticos acontecem e muitas vezes quando é tarde demais, como no assassinato da ativista ambiental Berta Caceres em março do 2016. No entanto, existem muitos outros casos e seus protagonistas, bem como os meios de subsistência das comunidades pelas quais eles lutam, merecem uma maior visibilidade.

O CIDSE discutiu esse tópico com o padre Rodrigo Peret do Brasil, membro da Franciscans International e um ativista ambiental que aborda os impactos da mineração em larga escala, um dos muitos defensores ambientais e de direitos humanos com os quais o CIDSE e seus membros estão trabalhando.

O padre Rodrigo estava participando de uma visita a uma mina no Zimbábue quando foi preso em novembro do ano XIX, juntamente com um grupo de ativistas do 10 do Brasil, Grã-Bretanha, Quênia, África do Sul, Suazilândia, Uganda e Zâmbia que estavam no país para uma visita de intercâmbio sobre mineração artesanal . O objetivo da visita foi entender o papel da mineração artesanal e se ela poderia ser uma alternativa ao modelo de mineração apresentado pelas empresas transnacionais. O Zimbábue foi escolhido como um caso a ser explorado porque mais de um milhão de pessoas estão envolvidas na mineração artesanal. Esse modelo ainda enfrenta muitos desafios no país: a violência contra os mineiros artesanais ainda é comum.

No momento da prisão, o grupo estava participando da décima sexta comemoração do Massacre de Marange- relembrando a “Operação Hakudzokwi”, uma repressão militar aos mineiros artesanais que supostamente deixou mais de 200 mortos em novembro de 2008. O objetivo da comemoração era lembrar aqueles que morreram ou sofreram várias formas de violações de direitos devido à mineração de diamantes em Marange e compartilhar histórias dos sobreviventes. Mais de 3000 pessoas compareceram ao evento, principalmente das comunidades do entorno.

“Fomos levados pelos oficiais de imigração e, mais tarde, pela polícia do local da comemoração enquanto estávamos participando do evento com os locais”, explicou o padre Rodrigo. O grupo de ativistas ficou em custódia por um dia e foi libertado depois que cada um pagou uma multa de US $ 100. Eles foram acusados ​​de invadir ilegalmente uma área protegida e os advogados sugeriram que se declarassem culpados. Segundo o padre Rodrigo, a rápida resposta de parceiros internacionais ajudou enormemente sua rápida liberação. A embaixada brasileira, a Santa Sé e vários bispos foram de fato contatados rapidamente; A atenção da mídia internacional também contribuiu para o seu caso, assim como as reações de solidariedade da CIDSE e dos membros. A comunidade local em Marange também reagiu com raiva às ações da Imigração e da Polícia e as pessoas presas receberam várias ligações e mensagens de membros da comunidade expressando solidariedade.

Durante sua visita ao Zimbábue, os ativistas viram os resultados do exploração mineira e padrões reconhecidos que se manifestam de maneira semelhante em diferentes países em torno de grandes locais de mineração, como o destruição de meios de subsistência para os habitantes locais e a desintegração das relações comunitárias. Isso também aconteceu em Marange, onde mineiros artesanais organizados em cooperativas reuniram fundos para obter acesso a algumas infra-estruturas básicas, como água potável e sistemas de esgoto. “É incrível como as pessoas vivem em uma necessidade tremenda” - disse o padre Rodrigo. Ele também destacou a estreita conexão entre a destruição de meios de subsistência e as migrações. No entanto, ele disse: "Enquanto os diamantes viajam livremente para a Europa, as pessoas arriscam a vida para atravessar o deserto e depois o mar Mediterrâneo".

Nessa situação calamitosa, quem denuncia os impactos das operações das grandes mineradoras, muitas vezes, corre perigo, mas expor a situação do ameaçado é extremamente necessário: “Se você se esconde, se tem medo, se não” para comunicar, é impossível construir uma rede de apoio ”, disse Pe. Rodrigo. Ele destacou a importância de dar visibilidade às pessoas em risco, reconhecendo também que cada caso é particular e deve ser tratado de acordo. Solidariedade nacional e internacional também é crucial para pressionar os governos; fica muito mais complicado, no entanto, quando o defensor é pressionado pelo próprio governo. Uma rede vibrante e forte da sociedade civil é, de fato, um fator-chave com o qual os defensores de direitos humanos podem contar quando estão em risco, e a capacidade de conectar-se e responder rapidamente quando algo acontece também é de vital importância.

A conversa com o padre Rodrigo também apontou como a situação crítica dos defensores dos direitos humanos e ambientais é fomentada pela lacuna no entendimento de que os cidadãos têm em relação ao próprio conceito de direitos humanos e à maneira como isso é tratado pela grande mídia. “Em alguns municípios, as pessoas pensam que os trabalhadores de direitos humanos querem ajudar aqueles que são contra a lei e os percebem como contrários ao desenvolvimento. O trabalho que estamos fazendo no Brasil sobre reforma agrária, por exemplo, deixa algumas pessoas loucas. Algumas pessoas até comentaram abaixo artigos sobre minha prisão que eu deveria ser morto. ”O avanço global do direito e da xenofobia é, segundo o padre Rodrigo, um sinal óbvio dos problemas na percepção dos direitos humanos e da integridade ambiental.

A entrevista com o padre Rodrigo foi gravada pelo CIDSE em novembro 2017. Os recursos abaixo fornecem mais informações e análises sobre a prisão do grupo de ativistas no Zimbábue no 10 em novembro, 2017 e foram parcialmente utilizados neste artigo.

-Declaração do Conselho da CNRG sobre as recentes detenções de ativistas na comunidade de Marange (em anexo)

Declaração da visita de intercâmbio do Diálogo Popular ao Zimbábue e detenções (em anexo)

- Declaração do Centro de Governança de Recursos Naturais (em anexo)

-Comunicado de imprensa por MAM, Movimento pela Soberania Popular na Mineração, Brasil

-Artigos da rede Iglesias y Mineria:

Comunidade Franciscana agradece a Iglesias e Mineração vermelhas por solidariedade no caso de pessoas detidas no Zimbábue

Três ambientalistas brasileiros estão liberados em Zimbabue, entre ellos Frei Rodrigo PeretTres ambientalistas brasileiros estão liberados em Zimbabue, entre ellos Frei Rodrigo Peret
 

 

Statement_by_CNRG_Board_of_Trustees_on_the_recent_arrest_of_activists_in_Marange_Community._doc.pdf
Report_on_the_Peoples_Dialogue_exchange_visit_to_Zimbabwe_on_letter.docx
Zimbabwe_Marange_Commemoration_report__Centre_for_Natural_Resource_Governance.doc

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange