As Feministas por um Tratado Vinculante - CIDSE

As feministas por um tratado vinculativo

No início deste mês, janeiro de 2019, milhares de funcionários de fábricas de Bangladesh que fabricam aparelhos de roupas para gigantes do varejo globais, como H&M, Walmart e muitos outros foram embora greves por salários baixos. O protesto foi marcado por violência e repressão pela polícia, levando a relatos de perda de vidas e vários outros feridos. A indústria de roupas de US $ 30 de Bangladesh é o segundo maior fabricante de vestuário do mundo, logo atrás da China. O setor emprega aproximadamente 3.5 milhões de trabalhadores e, destes, 85 por cento são mulheres.

Esses protestos acontecem apenas cinco anos após o trágico incidente de Rana Plaza, onde o edifício de oito andares cedeu ao fim da vida de mais de trabalhadores da 1,100 e feriu milhares. Foi devido a esse incidente horrível que a atenção do mundo foi atraída para as condições desumanas, incluindo baixos salários para os trabalhadores de oficinas mulheres jovens e meninas com idade entre 15 e 25 anos.

O patriarcado se cruza com o atual sistema econômico opressor dominante para alavancar e explorar o baixo status das mulheres na sociedade para obter lucro, exacerbando as desigualdades estruturais existentes. Essas desigualdades são possibilitadas e reforçadas pelas atividades de corporações transnacionais e outras empresas comerciais. As mulheres são afetadas por abusos corporativos de formas específicas de gênero. Mas as empresas não apenas violam e abusam dos direitos humanos - elas também aumentam sua influência indevida sobre as decisões políticas que afetam nossas vidas e comunidades.

De 15 a 19 de outubro de 2018, a Quarta Sessão para discutir o conteúdo de um instrumento juridicamente vinculativo da ONU para garantir a proteção dos direitos humanos contra as atividades de corporações transnacionais e outras empresas comerciais foi realizada em Genebra. Foi um divisor de águas para mais de 90 estados e 400 observadores, incluindo representantes de movimentos sociais e organizações da sociedade civil, que participaram das discussões de uma semana.

Como tão clara e vigorosamente reconhecido pela Vice-Alta Comissária Kate Gilmore, em sua discurso de abertura na reunião, “É crucial que o tratado esteja enraizado nas experiências vividas daqueles que mais sofrem como resultado das atividades comerciais.” É essencial, portanto, que o tratado leve em consideração os diferentes impactos, muitas vezes desproporcionais, das transnacionais atividades das corporações sobre os direitos das mulheres e as barreiras históricas e estruturais adicionais ao acesso das mulheres à justiça e ao buscar soluções que atendam às questões de gênero.

O feministas por um tratado vinculativo é um coletivo de mais de organizações 15 trabalhando juntas para integrar uma perspectiva de justiça de gênero no instrumento juridicamente vinculativo. Integrar uma abordagem de justiça de gênero ao tratado significa analisar como as empresas podem ter impactos diferentes, desproporcionais ou imprevistos sobre os indivíduos, como resultado de seus diferentes papéis sociais e culturais baseados em gênero e das desigualdades e discriminações existentes nas leis e práticas. Essa abordagem é essencial para o próprio objetivo do tratado, que é colocar as preocupações dos detentores de direitos no centro e garantir efetivamente a prevenção, a proteção e a correção de danos relacionados a negócios para todos. Por fim, as vozes, os direitos, as experiências e as visões das mulheres devem ser visíveis e priorizadas durante todo o processo e tratado adotado.

As feministas por um tratado vinculante se concentraram em três sugestões principais: (i) avaliações obrigatórias de impacto de gênero nas atividades comerciais, (ii) mecanismos de justiça e remédio sensíveis ao gênero e (iii) garantia de respeito, proteção e um ambiente propício para as mulheres humanas defensores de direitos.

A inclusão de referências a mulheres no rascunho zero do Tratado é bem-vinda e é um passo na direção certa. Também encorajador foi o fato de muitos estados falarem a favor da inclusão de uma perspectiva de gênero. Infelizmente, porém, o tratado fica aquém das expectativas e ainda trata o gênero como uma reflexão tardia e deixa de abordar nossas principais preocupações.

Incentivamos os Estados e as partes interessadas a continuarem se engajando em discussões substantivas que nos aproximem da realização do instrumento vinculativo. O futuro instrumento juridicamente vinculativo permanece potencialmente uma ferramenta crítica para promover a justiça econômica e de gênero.

Juntamente com aliadas, as feministas por um tratado vinculativo permanecem fortemente comprometidas em advogar um tratado forte que incorpore as perspectivas, realidades vividas e visões de todas as mulheres.

Para uma análise feminista abrangente e recomendações detalhadas, consulte o resumo conjunto “Os direitos das mulheres além do caso comercial: garantindo a responsabilidade corporativa”Por Feministas para a Coalizão do Tratado de Vinculação e siga #Feminists4BindingTreaty on-line.

Sobre os autores:

Foto Felogene Anumo

Felogene Anumo está coordenando a construção de economias feministas na Associação dos Direitos da Mulher no Desenvolvimento (AWID). O AWID é membro da Coalizão Feministas pelo Tratado. Antes de ingressar na AWID, ela trabalhou para a Rede de Comunicação e Desenvolvimento de Mulheres Africanas (FEMNET).
Twitter: @felogene

Foto Layla Hughes

Layla Hughes é advogada que trabalha em nome de grupos indígenas e de conservação nos últimos anos da 20 em questões relacionadas ao feminismo, direitos humanos, proteção ambiental e responsabilidade corporativa.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.