Um passo profético em um longo caminho - CIDSE

Um passo profético em um longo caminho

O cardeal Christoph Schönborn, presidente da Conferência Episcopal Austríaca, anunciou no 22 em março o 2019, a decisão dos bispos austríacos de desinvestir em cinco anos todas as empresas que extraem ou produzem combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás). Esta decisão inclui todos os investimentos financeiros da Conferência Episcopal, todas as dioceses austríacas e todas as instituições dentro de sua esfera. A Áustria é a terceira Conferência Episcopal depois que a Bélgica e a Irlanda anunciam publicamente sua decisão de desinvestimento.

Várias etapas anteriores haviam tornado essa decisão possível. Antes de tudo, seguindo Laudato Si ', os bispos decidiram em 2015, elaborar estratégias climáticas diocesanas. Em segundo lugar, a conferência dos bispos decidiu diretrizes éticas de investimento "Investimentos financeiros como cooperação" (FINANKO) no outono 2017, que já eram rigorosas ao proibir o carvão e o fracking. Essas diretrizes serão agora ajustadas excluindo também petróleo e gás.

Mesmo para essas etapas, foram necessários muitos in-betweens: por exemplo, os agentes ambientais diocesanos não pararam de aumentar a conscientização dos tomadores de decisão eclesiásticos sobre a nossa casa comum. Alguns especialistas em finanças trabalharam duro para convencer seus colegas nas dioceses sobre a dimensão econômica de nossa responsabilidade. E finalmente, nós, como KOO, trouxemos a dimensão internacional para a discussão. A decisão é resultado de um verdadeiro trabalho em equipe interdisciplinar e cooperação e de uma boa experiência para enfrentar os próximos desafios.

Hoje, as instituições 1032 assinaram em todo o mundo promessas de desinvestimento - 28 por cento são organizações religiosas. Assim, ao assinar o compromisso de desinvestimento do Movimento Global pelo Clima Católico (GCCM), a Conferência Episcopal da Áustria se une ao movimento de desinvestimento global de mais de mil instituições. Este é um passo profético que, consequentemente, segue a verdade inegável, de que queimar todas as reservas conhecidas de combustíveis fósseis nos levará a catástrofes impensáveis.

Podemos observar as consequências da enorme demanda por recursos que desencadeiam diariamente crises ecológicas e sociais nas condições de vida das pessoas em nossos países parceiros - não apenas no sul global. É inaceitável que pessoas de outros continentes ou de toda a criação paguem o preço pelo nosso estilo de vida excessivo. Nós, como cristãos, e nossas instituições temos a responsabilidade de cuidar da criação e trabalhar em direção à justiça global. Estamos entre essa parte da população mundial que produz a maior parte das emissões de gases de efeito estufa e, portanto, naturalmente precisamos combater sua principal causa - o uso de combustíveis fósseis.

Este passo importante mostra o esforço coerente dos bispos austríacos para atender às demandas do Acordo Climático de Paris. O realinhamento anunciado dos investimentos financeiros segue a ação climática nas áreas de energia e compras já decididas no 2015. Todas essas etapas capacitam a nós e aos delegados ambientais das dioceses austríacas, que estão participando da implementação da ação climática.

Finalmente, gostaria de destacar as palavras do bispo Werner Freistetter, responsável pelos Assuntos Internacionais da Igreja, que acolhe com satisfação o anúncio da Conferência Episcopal da seguinte maneira: “Do ponto de vista da ecologia integral, a lógica do lucro não pode mais ser a referência única para as atividades econômicas, ignorando as obrigações morais. Ao adotar diretrizes éticas de investimento na 2017, a Igreja Católica na Áustria já deu um passo importante no sentido de alinhar os investimentos financeiros das instituições católicas aos cuidados com o lar comum. Nossa decisão recente segue esse caminho. Os investimentos financeiros das instituições católicas não vão mais alimentar a crise climática, mas contribuirão para preservar a criação. Apelamos a outras instituições para que se juntem ao movimento de desinvestimento com suas promessas, a fim de manter nosso lar comum para as gerações atuais e futuras. ”

Anja Appel é cientista política e, desde um ano, diretora do Gabinete de Coordenação da Conferência Episcopal da Áustria (KOO), que é um departamento da Conferência Episcopal Austríaca, responsável pelo desenvolvimento e pelo trabalho missionário. (www.koo.at) KOO é membro de CIDSE - Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e Solidariedade e de GCCM. Antes, ela costumava trabalhar como secretária geral da Movimento de Mulheres Católicas. Você a encontra no Twitter @anjaappel_koo

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange