Para viver Laudato Si 'a Igreja deve responder aos gritos da Amazônia - CIDSE
CIDSE

Para viver Laudato Si 'a Igreja deve responder aos gritos da Amazônia

CIDSE

Há duas décadas, quando jovem estudante universitária, tive a oportunidade de estudar na região amazônica e em torno do Parque Nacional Yasuní, no Equador. A experiência de ver uma biodiversidade tão incrível justaposta às conseqüências ambientais e sociais da exploração de petróleo mudou minha vida.
O Maryknoll Office for Global Concerns faz parceria com a Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM) para proteger esta região. O REPAM é uma rede e parceria entre comunidades da Amazônia e a Igreja Católica. Juntos, eles se esforçam para proteger territórios, culturas e meios de vida indígenas de forças poderosas, como projetos de desenvolvimento em larga escala.

Devido em grande parte a seus esforços combinados, o Vaticano sediará um Sínodo na Amazônia em outubro para responder ao clamor da terra e ao clamor dos pobres na região e em outros biomas críticos ao redor do mundo.

Para iniciar o diálogo, a REPAM convocou um conferência internacional sobre ecologia integral na Universidade de Georgetown, em Washington, DC, de março 19-21. A conferência explorou os desafios ambientais, sociais e políticos enfrentados pelos biomas críticos e como podemos agir juntos para proteger nosso lar comum. A conferência terminou com propostas de colaboração regional que incorporam o espírito de Laudato Si '.

reunião pré-sínodo Washington DC JG jpg

O sínodo não poderia ser mais urgente. O brasil é o país mais fatal para os defensores dos direitos humanos e do meio ambiente, que muitas vezes são assassinados por resistir a grandes indústrias extrativas ou projetos agrícolas. Quase 90% dos defensores assassinados no Brasil em 2017 morreram tentando proteger a Amazônia.

Esses projetos não apenas estão associados a violações dos direitos humanos, mas também podem destruir meios de subsistência e ecossistemas. Em janeiro deste ano, uma barragem de mina quebrou perto da cidade de Brumadinho, liberando uma enorme inundação de resíduos tóxicos da mineração que devastou o meio ambiente e a vida humana. Trezentas pessoas morreram neste desastre.

Esta foi a segunda barragem a estourar em quatro anos. Ambas as minas, localizadas em Minas Gerais, são de propriedade da mineradora brasileira Vale. No incidente do 2015 em Mariana, os rejeitos tóxicos da mineração fluíram para a bacia do rio Doce contaminando os quilômetros do 600, matando espécies que coexistem com o rio e um local sagrado para as comunidades indígenas. Foi nomeado o pior desastre ambiental registrado na época.

Veja estas imagens comoventes e ensaios fotográficos poderosos de CIDSE e o Washington Post nos desastres de Mariana e Brumadinho, respectivamente. O governo Bolsonaro demonstrou que vai ainda mais longe para abrir novas terras à extração e prejudicar os direitos humanos.

Após a conferência de Georgetown, o Maryknoll Office for Global Concerns, juntamente com outros parceiros católicos em Washington, DC, organizou um briefing para o REPAM na Câmara dos Deputados dos EUA para destacar essas preocupações. Entre os participantes estavam o cardeal Claudio Hummes (presidente da REPAM), Mario Nicacio (vice-coordenador das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) e o líder indígena Wapichana, Danilo Chammas (advogado da Justiça nos Trilhos) e o padre Dario Bossi (coordenador de Iglesias). e Minería), que falaram sobre ameaças contra comunidades indígenas e líderes de igrejas, como o padre brasileiro José Amaro Lopes de Sousa, que foi preso e recebeu ameaças de morte por sua defesa para proteger os direitos à terra e ao meio ambiente. (Veja abaixo em anexo a apresentação REPAM e Iglesias y Minería)

Audição com congresso dos EUA

Os membros do Congresso estão prestando atenção e enviaram cartas ao Departamento de Estado dos EUA pedindo que monitorem e defendam os direitos humanos no Brasil.

Este briefing do Congresso é um pequeno exemplo de como a Igreja pode dar vida às palavras de Laudato Si ' e agir para proteger nossa casa comum e seus habitantes. O Sínodo é uma oportunidade para a Igreja fazer ainda mais.

____________

Chloe Noël é diretora do Programa de Ecologia da Economia da Fé no Escritório Maryknoll para Preocupações Globais em Washington, DC. Ela defende a justiça econômica e ecológica e os direitos humanos. Ela viveu e viajou pela América Latina e cobre assuntos relacionados à região.

O Maryknoll Office for Global Concerns é membro da CIDSE nos Estados Unidos.

EN-REPAM_IyM_Presentation_HRDs_violations_in_Brazil_March_2019.pdf
ES-REPAM_IyM_Presentation_HRDs_violations_in_Brazil_March_2019.pdf
PT-REPAM_IyM_Presentation_HRDs_violations_in_Brazil_March_2019.pdf

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais