Declaração da REPAM sobre a grave situação na Amazônia - CIDSE

Declaração da REPAM sobre a grave situação na Amazônia

26 2019 agosto

Depoimento da REPAM ressalta que, atualmente, os incêndios na Pan Amazônia assumiram dimensões extremas. gravidade. O que aconteceu provocou reações nos mais diferentes países do mundo, que através de seus governos expressaram sua preocupação e exigiram uma reação de seus governos. A Igreja também levantou sua voz pela Amazônia por meio de seus diferentes organismos, incluindo o CIDSE.

A declaração da REPAM (Rede Eclesial Pan-amazônica) sobre a grave situação na Amazônia foi publicada originalmente em espanhol e português, e assinada em comunhão sinodal pelo Cardeal Claudio Hummes, Presidente OFM, Cardeal Pedro, Barreto, SJ. Vice-Presidente e Mauricio López, Secretário Executivo. Expressa que “os incêndios na Pan-Amazônia assumiram dimensões extremas. gravidade ”e que esta“ tem provocado reações nos mais diversos países do mundo, que através de seus governos expressaram sua preocupação e exigiram uma reação de seus governos ”. REPAM destaca que “a Igreja também levantou sua voz pela Amazônia por meio de seus diversos organismos. Existem várias notas publicadas nos últimos dias por diferentes Conferências Episcopais e pelo próprio Conselho Episcopal Latino-Americano - CELAM que integra todos os bispos da região, bem como para a Vida Religiosa, através da Confederação Latino-Americana de Religiosos - CLAR, Cáritas America Latina, Adveniat, CIDSE, Civilta Cattolica, Vatican News, Global Catholic Climate Movement e muitos mais. ”

Por fim, o comunicado expressa que a “Rede Eclesial Pan-amazônica - REPAM, tem consciência que“ atualmente, as mudanças climáticas e o aumento da intervenção humana (desmatamento, incêndios e inundações). mudanças no uso da terra) estão levando a Amazônia a um ponto sem volta ”. (IL 16). Por isso, somos profundamente gratos pela proximidade com a situação crítica em toda a Amazônia, especialmente no Brasil e na Bolívia nestes dias de grandes incêndios. e todo o processo rumo ao Sínodo Amazônico, e nos unimos aos diferentes em consonância com o Magistério do Papa Francisco, conclamamos toda a Igreja a nos conscientizar das graves ameaças desta situação e a nos alertar sobre o que nos comprometamos com o cuidado da casa comum, levantando a nossa voz e encontrando caminhos. Neste contexto, é importante tomar medidas concretas, mas firmes e pacíficas, exigindo que esta situação seja resolvida ”.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais