A UE deve apoiar os defensores da amazônia - CIDSE

A UE deve apoiar os defensores da Amazônia

Em junho, 18 e julho, o 5 CIDSE e suas organizações membros, CAFOD e MISEREOR, receberam duas delegações de parceiros brasileiros que defendem a UE a cumprir seus compromissos em nome da proteção da Amazônia e de seus povos. José Batista da CPT Marabá (Comissão Pastoral da Terra de Marabá) e Cleber Buzatto e Adriano Karipuna do CIMI (Conselho Missionário Indígena) compartilharam informações em primeira mão sobre as realidades e pressões enfrentadas pelas comunidades locais e povos indígenas em dois cantos distantes da Amazônia brasileira. Tais fatores e práticas semelhantes evidenciam a natureza sistemática da dinâmica entre abuso corporativo e negligência do Estado, alimentada por corrupção e impunidade, que promove o caminho da devastação.  

Grandes áreas do Estado do Pará sofrem com desmatamento ilegal, apropriação de terras e trabalho escravo cada vez maior, principalmente devido à criação de gado e à agricultura em grande escala. Intensos conflitos entre governo, camponeses da região, grupos indígenas e fazendeiros por direitos à terra foram exacerbados pela demanda por carne bovina da Europa e soja da China, entre outras commodities.   

O Pará é uma região também rica em recursos minerais, exporta alumínio, madeira, minérios de ferro e outros metais extraídos tanto da mineração legal quanto ilegal. A falta de supervisão governamental e demandas mais rígidas de Due Diligence dos mercados internacionais tornam impossível saber o quão emaranhada está sua produção. Além disso, a barragem de Belo Monte proposta para ser construída no rio Xingu é uma ameaça iminente ao habitat de uma área relativamente intocada da floresta paraense, e colocaria em risco várias espécies endêmicas, em última análise, em detrimento de toda a floresta.  

O Brasil representa o exemplo mais claro da região de retrocesso nos direitos humanos manifestado por uma agenda pública focada na segurança e discurso de ódio aos defensores dos direitos humanos. Grandes conquistas em todas as esferas dos direitos humanos nos últimos vinte anos correm o risco de ser anuladas por um político conservador de direita. ”

Relatório de Frontline Defenders 2018

 Além disso, mudanças políticas domésticas que vão desde o desmantelamento do Ministério do Meio Ambiente e as tentativas de mudar o código florestal para instituir uma Política de Terras Rurais - promovida por proprietários de terra e criadores de gado - até a revisão da atual demarcação de terras com o objetivo de acabar com Reservas indígenas, são algumas das expressões da rápida desconstrução de políticas ambientais e de proteção a minorias.

Consequentemente, a situação dos defensores de direitos humanos e ambientais piorou dramaticamente, de acordo com o CPT, 2017 foi o ano mais mortal já registrado, com cerca de assassinatos de 711. No entanto, o acordo UE-Mercosul foi concluído em um momento de pouca ou nenhuma garantia para as comunidades que defendem seus territórios dos impactos negativos do comércio internacional dentro de um regime desprovido de legislação internacional vinculativa para proteger os direitos humanos e ambientais.

Da mesma forma, no estado de Rondônia, o grupo indígena Karipuna fazer expulsão crescente, perda de território e inchaço na violência2 devido a extração ilegal de madeira e exploração de terras - 1300-4000 ha nos últimos dois anos por invasores armados, que foram explicitamente apoiados pelo atual líder do governo Jair Bolsonaro3. Grupos indígenas de todo o Brasil estão resistindo a uma nova fase de despejos de territórios já demarcados. Isso foi agravado pelas tentativas recorrentes do presidente brasileiro de transferir a tarefa de demarcar terras indígenas da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) para o Ministério da Agricultura, onde os interesses dos proprietários de terras em larga escala estão fortemente representados4

Os impactos ambientais das novas manobras do governo também foram péssimos. Medidas comparativas de junho 2018 e 2019 mostram que houve um aumento de 88% no desmatamento da Amazônia (aprox. 2072,03 km2 da floresta tropical)5 e novos agrotóxicos foram encontrados nas fontes de solo e água, afetando diretamente os meios de subsistência e impactando negativamente as condições de saúde das comunidades e da Amazônia6. Essa tremenda devastação indica claramente que o governo brasileiro não está tomando as medidas necessárias para cumprir os compromissos do Acordo de Paris, condição considerada crucial para a conclusão do Acordo do Mercosul, que ainda será ratificado pelos Estados Membros, mas acordado pelo a UE indistintamente.  

São circunstâncias extremamente ameaçadoras e sensíveis para os povos indígenas no Brasil, protegendo seus territórios e natureza. “A priorização não indígena do lucro sobre a vida e a natureza resulta em vários tipos de morte, da morte física à espiritual morte da nossa existência. Os povos indígenas resistem há mais de dez anos e continuam fazendo isso para proteger a floresta ”, disse o líder indígena Adriano Karipuna durante uma das reuniões com representantes da UE. 

Localização aproximada dos povos indígenas em isolamento voluntário ou primeiro contato

Da mesma forma, Lino João e Beatriz Huertas, da Delegação sobre os Povos Indígenas no Isolamento Voluntário da REPAM (Rede Pan-Amazônica Eclesial) expressou preocupações relativas a esses grupos. Calcula-se que cerca de povos 200 isoladamente existem no continente americano,7 algumas estimativas indicam que o 1508 deles vivem na região amazônica. Contudo, a grande maioria deles não é reconhecida pelos governos nacionais, privando-os def proteção sob marcos judiciais e territoriais que estabelecem especificamente, por exemplo, a demarcação de seus territórios transfronteiriços tradicionais garantindo-lhes o direito de existir. Tendo em vista que esses povos não mantêm contato, não estão em contato uns com os outros e, portanto, nem mesmo conhecem a lei que os protege, suas oportunidades de legítima defesa e observância do Princípio da Precaução são praticamente inexistentes.9. Povos indígenas em isolamento voluntário, também chamados Povos Livres, estão sujeitos a sérias ameaças, como desmatamento, extração ilegal de madeira, mineração industrial e artesanal, agricultura em larga escala, apropriação de terras, resultando em pressões crescentes sobre o acesso a alimentos, água e destacamento forçado de seus locais sagrados, entre outros. Os Povos Livres tomaram essa decisão por causa de situações traumáticas que sofreram e deve ser garantido o direito à autodeterminação e um digno existência. 

Após a apresentação das realidades que elas e suas comunidades estão enfrentando, os delegados da CPT e da CIMI Brasil articularam recomendações e pedidos claros à UE para apoiar suas lutas, alavancando sua posição em três áreas relacionadas a: 

Empresas e Direitos Humanos 

  • Responsabilizar as empresas européias pela legislação européia em suas operações no exterior e em toda a extensão de suas cadeias de suprimento e valor. É necessária uma lei rigorosa sobre a devida diligência obrigatória em direitos humanos e ambientais em toda a Europa.
  • Envolver-se construtivamente on as negociações para um Tratado Vinculativo da ONU sobre corporações transnacionais e outras empresas comerciais com respeito aos direitos humanos como um instrumento viável para consagrar no direito internacional o primado dos Direitos Humanos e os mecanismos urgentes de acesso à justiça e prevenção ausentes no atual Comércio e Investimento regime.
  • Exija que as empresas da UE não obtenham seus produtos de fornecedores ligados ao desmatamento, apropriação de terras de origem ou violações de direitos humanos. Os mecanismos e procedimentos de controle devem ser tão rigorosos quanto aqueles para atender aos critérios de segurança e saneamento.
  • De acordo com a sagacidadeh a promoção dos valores europeus exige que as empresas européias adotem as medidas necessárias para garantir que os povos indígenas sejam consultados adequadamente e sua voz seja ouvida nas negociações e no processo.
  • Em relação aos povos indígenas em isolamento voluntário, a expressão da OIT 169 também é o reconhecimento de seu direito à autodeterminação. O exercício apropriado do direito ao consentimento não deve ser contatado e seus territórios mantidos preservados para qualquer consideração de um projeto extrativo.

Comércio e Investimento

Se o acordo UE-Mercosul for adiante,

  • Exigir a primazia de uma cláusula de direitos humanos e ambientais.
  • Proteger os povos que protegem a floresta há séculos, aplicando estruturas jurídicas internacionais, como o Acordo de Paris, a Carta de Sustentabilidade da UE e a Convenção da OIT 169. Em complemento, apoiar as próprias atividades econômicas dos povos indígenas como parte central da implementação e dentro dos quadros europeus de cooperação para o desenvolvimento.
  • Reforçar a cláusula de precaução. Atualmente, não é suficiente para os desafios da dinâmica comercial. Também é necessário um sistema de monitoramento eficiente, mecanismos de participação adequados para a sociedade civil e grupos indígenas e sanções explícitas.
  • Em termos de impacto específico para os povos indígenas, deve haver uma cláusula e um mecanismo especiais para estimar e abordar os riscos e impactos nos territórios indígenas.
  • Cláusula de responsabilidade / responsabilidade para o governo garantir a legalidade dos produtos importados para a UE e que sua origem não é de territórios invadidos. 

Políticas internacionais 

  • Obrigar o governo Bolsonaro a cumprir os padrões internacionais de direitos humanos e proteção ambiental e impor as sanções correspondentes por não cumprimento.
  • Contribuir para uma resposta multinível que aproveite o papel dos governos, das OSCs, da igreja e do setor privado para acabar com os impactos negativos do comércio sobre a natureza e os direitos humanos
  • Apoio ao Papa Francisco e ao Sínodo sobre a região Pan-Amazônicao abrindo a porta para um nível mais alto de proteção da amazônia da igreja em todo o mundo.
  • Aumentar a pressão internacional e a prestação de contas ao regime Bolsonaro. Exortar o governo brasileiro a Preencha seus compromissos no âmbito do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas.
  • Os povos amazônicos protegem a Amazônia para toda a humanidade. Apoiar e proteger os povos da Amazônia e as organizações de direitos humanos e ambientais que defendem a região.

Remissões para o Sínodo 

  • As OSCs são chamadas a politizar o Instrumento Laboris e enfatize a responsabilidade da igreja de uma selva / floresta para outra.
  • Levante a mensagem da necessidade absoluta de parar de destruir a Amazônia e seus povos como premissa para a ação institucional dentro da igreja.
  • Relações intra-eclesiásticas devem ser fomentadas, cristãos de outras denominações são maioria na Amazônia brasileira, seguidos por católicos e não por povos evangelizados. A igreja, no entanto, tem que assumir uma posição clara e forte ao lado das comunidades e não se virar para os conflitos
  • Orientar a solidariedade e apoiar a perspectiva do futuro após o Sínodo
  • Para ser a igreja do povo, nossa experiência deve ter ressonância com a experiência deles; portanto, a igreja deve ser capaz de ver as conseqüências devastadoras das atividades extrativas na vida das pessoas mais vulneráveis.
Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange