COMUNICADO DE IMPRENSA: Iniciativa legislativa europeia sobre direitos humanos e devida diligência ambiental - CIDSE

COMUNICADO DE IMPRENSA: Iniciativa legislativa europeia sobre direitos humanos e devida diligência ambiental

Organizações católicas e a Igreja na UE saúdam a iniciativa legislativa europeia sobre direitos humanos e devida diligência ambiental  

- Bruxelas, 10 de fevereiro de 2021 -  

CIDSE (a família internacional das organizações católicas de justiça social), Pax Christi International e Justice & Peace Europe, com o apoio da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE), acolhem a iniciativa da Comissão Europeia de preparar novos Legislação da UE sobre cadeias de abastecimento. 

A legislação proposta exigiria legalmente que as empresas protegessem os direitos humanos internacionalmente reconhecidos e o meio ambiente no desenvolvimento, produção e distribuição de commodities. As organizações católicas apresentaram um contributo conjunto para uma consulta pública da UE tendo em vista a futura legislação.  

Com esse movimento histórico, a Europa se tornará a primeira região do mundo a promulgar tal legislação, responsabilizando as empresas por violações dos direitos humanos e danos ambientais em suas cadeias de abastecimento. 

De acordo com uma recente estudo mandatado pela Comissão Europeia, apenas uma em cada três empresas na UE está atualmente a implementar a devida diligência. A iniciativa legislativa proposta tornaria a devida diligência obrigatória, contribuindo para condições equitativas para todos.  

"Enfrentando um imprecisodedevido à crise global, agora precisamos, mais do que nunca, da devida diligência obrigatória da cadeia de abastecimento para impedir o abuso corporativo e garantir a solidariedade global," declarou H. Em. O Cardeal Jean-Claude Hollerich SJ, Presidente da COMECE, expressando seu apoio a uma legislação europeia ambiciosa de devida diligência.   

Membros da CIDSE, Pax Christi International, junto com Comissões de Justiça e Paz e outras instituições da Igreja Católica apóiam comunidades vulneráveis, cujos direitos humanos são frequentemente violados e territórios são prejudicados por atividades comerciais. Essas comunidades são ainda mais marginalizadas pela falta de acesso a recursos legais e justiça.  

Através da consulta da UE, as organizações católicas apelam à União Europeia para que adopte uma legislação que não só ofereça protecção significativa às comunidades afectadas, mas também contribua para a promoção do bem comum. As novas regras à escala da UE devem exigir que todas as empresas que operam na UE traçam o mapa das suas cadeias de abastecimento, a fim de ajudar a identificar, prevenir, mitigar e contabilizar os direitos humanos e o impacto ambiental. Essa legislação também deve contribuir para a remediação dos direitos humanos negativos e dos efeitos ambientais causados ​​pelas atividades comerciais.  

De acordo com a contribuição conjunta, as novas regras da UE devem também indicar claramente as obrigações dos Estados-Membros e da Comissão Europeia no controlo, execução e imposição de sanções por incumprimento. Por extensão, a legislação deve garantir que as vítimas de violações corporativas tenham acesso aos tribunais, em seu próprio país e no país onde a matriz ou a empresa principal está baseada.   

Na sua resposta conjunta à consulta da UE, CIDSE, Pax Christi International, Justice & Peace Europe, com o apoio da COMECE, enfatizam que qualquer futuro quadro jurídico europeu deve ser alinhado com os processos multilaterais pertinentes, em particular as normas voluntárias existentes, e trabalho em andamento do Grupo de Trabalho Intergovernamental da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos. Qualquer legislação emergente da UE sobre as obrigações de devida diligência e que preveja o acesso à justiça deve complementar e reforçar o tratado vinculativo da ONU atualmente em negociação pelos Estados-Membros da ONU.  

CONTACTOS  

Valentina Pavarotti 
Gerente de Comunicações para CIDSE 
+ 32 (0) 2 282 43 73 
Pavarotti@cidse.org 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange