O movimento jovem pelo clima continua a crescer apesar da pandemia - CIDSE

O movimento jovem pelo clima continua a crescer apesar da pandemia

Por ocasião do Dia da Terra, comemorado todos os anos em 22 de abril, publicamos uma entrevista com jovens ativistas do clima Adélaïde Charlier Da Bélgica. 

Foto: Adélaïde Charlier.

Todo ano, nós celebramos Dia da Terra repensando a maneira como vivemos neste planeta e, esperançosamente, começando a estar atentos e ativos na defesa de nosso lar comum. Este dia marca uma oportunidade especial para nos inspirarmos e continuarmos a clamar pela mudança sistêmica necessária para buscar uma transição ecológica radical. Enquanto o presidente Biden está convocando um Cimeira do líder do clima, queremos sublinhar o papel crucial do multilateralismo e da cooperação para alcançar os objetivos do Acordo de Paris, para enfrentar verdadeiramente os principais desafios do nosso tempo; que esta cúpula seja a oportunidade para os governos levarem a sério seu compromisso e liderança e passar das palavras às ações e com profunda atenção à proteção dos direitos humanos e da degradação ambiental nas regiões mais vulneráveis ​​do globo. 

Uma visão profunda de transformação e de relacionamento renovado com a natureza é algo que já está se tornando mais familiar às gerações mais novas com o passar dos anos. Em 2018 e como um ato de rebelião, Greta Thunberg parou de ir à escola para exigir ações climáticas de seus líderes nas ruas da Suécia. Quase três anos depois, a mesma visão que deu poder a Greta continua a inspirar outros alunos a começarem a expressar suas preocupações e demandas por meio do ativismo. 

Juventude pelo Clima é um dos movimentos que surgiram para consolidar este apelo à ação, com uma mensagem clara e direta, como explicam: “As atuais políticas climáticas não são suficientemente ambiciosas, nem a nível local, nem a nível nacional, nem a nível internacional. Juventude pelo Clima quer enviar um sinal apolítico claro de que medidas concretas devem ser tomadas agora ”. Adélaïde Charlier, nascida na Bélgica, é uma das suas fundadoras.  

Após um hiato obrigatório devido às restrições da pandemia, o Youth for Climate retomou algumas de suas atividades e está se preparando muito mais para o futuro. CIDSE falou com ela sobre seu ativismo, a importância da inclusão social dentro do movimento climático e suas expectativas para o futuro próximo. 

O que o levou a se tornar um ativista? 

Para mim aconteceu na COP 24, quando a Bélgica não era um dos países mais ambiciosos e deveria ser, como um dos países mais confortáveis ​​do mundo. Dois dias antes dessa COP, éramos centenas de milhares nas ruas de Bruxelas, incluindo eu e alguns dos meus amigos. Naquele momento, percebi uma enorme lacuna entre o que estava sendo exigido pelos cidadãos e pelos especialistas, e o que realmente estava acontecendo no plano político. Foi quando percebi que poderíamos dar o próximo passo. E assim, comecei a fazer desobediência civil, o que significa faltar à escola e que nunca pensei em fazer antes, pensei “temos que ir mais longe”, e só fui capaz de o fazer porque senti que não era o único aquele que queria fazer isso.   

Como você espalha esse espírito? 

Acho que a primeira coisa é falar sobre isso. Fale sobre isso no seu grupo familiar, no grupo dos seus amigos ou mesmo na escola, porque também são locais onde - antes do movimento de cidadãos - não era comum falar, mas agora é como um verdadeiro tema que pode abordar. Se começar com você, vai se espalhar. Não vou pensando “Ah, vou convencer todo mundo”, porque nem todo mundo vai ser ativista, mas existem tantas formas de ser incluído na transição, de ser incluído naquele movimento sem ter estar nas ruas. Existem muitas maneiras de ser ativo. 

Como foi para o movimento durante a pandemia? 

Na Bélgica, podemos realmente ver que há realmente uma “depressão” juvenil que está aumentando, o que é um problema real, mas por que é? é porque os jovens não estão envolvidos na escola. Mas estamos aqui, prontos para nos engajarmos. Queremos fazer parte das discussões; queremos fazer parte do que está acontecendo na sociedade. Sempre nos disseram que estávamos uma geração atrás de nossos laptops, que queríamos apenas assistir a filmes e relaxar, mas na verdade agora isso mostra que já faz um ano que os jovens fizeram isso (greves escolares pelo clima) e estão muito cansados, eles só querem sair e se envolver.  

Como você percebe a inclusão do movimento jovem pelo clima na Bélgica a partir de sua experiência global? 

“Inclusão” é uma palavra-chave para um movimento. É algo que ainda estamos lutando porque não é fácil, mas é algo que nosso movimento está levando muito a sério e é o centro de nossas atenções agora. Acreditamos fortemente que se queremos que essa mudança aconteça no mundo, também temos que fazer isso em nosso movimento. Estamos tentando aprender muito, estamos tentando ser o mais inclusivos possível em nível internacional e estamos aprendendo muito. 

O que você espera de 2021? Como você se sente sobre a próxima década? 

É difícil esperar coisas desde que Corona aconteceu. O que eu esperaria desta década é uma mobilização mais forte dos cidadãos, e por mobilização não me refiro apenas às ONGs e aos movimentos. Eu realmente espero ver um sistema político que realmente se abra para uma democracia mais participativa, onde possamos ver os cidadãos sendo envolvidos nas decisões que estão sendo tomadas, onde não apelemos apenas aos cidadãos a cada 4, 5 ou 6 anos quando eles têm que votar, mas onde podem realmente estar presentes quando as decisões estão sendo tomadas. 

E para 2021, só posso esperar fortes ações dos cidadãos e mobilizações. Não podemos esperar que Corona vá embora. A princípio pensei que iríamos, mas hoje, se continuarmos esperando, vamos adormecer, então temos que começar agora, temos que encontrar caminhos diferentes. Algumas pessoas aceitariam quebrar as regras; outros não farão isso, e tudo bem, mas temos que ficar acordados e também responsabilizar a mídia por espalhar notícias em torno de outras temáticas além da corona. 

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange