Oportunidades críticas em 2021 para criar mudanças: clama por um caminho integral - CIDSE

Oportunidades críticas em 2021 para criar mudanças: clama por um caminho integral

foto: Foto das Nações Unidas.

Laudato Si semana, comemorado todos os anos em homenagem à encíclica do Papa Francisco sobre ecologia integral, compartilha uma visão de um mundo mais sustentável e justo. Neste contexto, o CIDSE, o Dicastério para a promoção do desenvolvimento humano integral, o Movimento Católico Global pelo Clima e a CAFOD organizaram o webinar: “Oportunidades críticas em 2021 para criar mudanças: clama por um caminho integral”, Com o objetivo de destacar as oportunidades políticas importantes em 2021 para gerar mudanças. 

Por meio do depoimento dos três painelistas, os participantes puderam ouvir em primeira mão as demandas de quem vivencia os efeitos da crise climática e da ameaça à biodiversidade.  

Ditebogo Lebea ativista do clima e YOuth Programas Jurídico, Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionaiss 

A África é uma das regiões que vive os dramáticos impactos da crise climática. O aumento da temperatura e do nível do mar, a mudança dos padrões de precipitação e condições climáticas mais extremas são alguns de seus sintomas, que afetam profundamente as pessoas. Tais fenômenos climáticos estão, de acordo com as Nações Unidas, ameaçando diretamente a saúde e segurança humana, a segurança alimentar e hídrica e o desenvolvimento socioeconômico.  

Ditebogo faz parte da geração jovem que viveu a crise climática, já que com sua família sofreu enchentes e secas. “Como jovem, acredito que justiça climática é justiça social. A justiça climática é interseccional; Questões sociais como desemprego, desigualdade, acesso à eletricidade, crime, violência de gênero e tantas outras ainda assolam nossa sociedade ”, disse ela durante sua apresentação.  

Essas desigualdades em sociedades como a que vive Ditebogo pioraram quando a pandemia COVID-19 atingiu: “A pandemia global abriu nossos olhos para a injustiça social e para os efeitos adversos da mudança climática em comunidades vulneráveis. Apresentou a oportunidade perfeita para também corrigirmos, para mudarmos o sistema em vigor e para nos permitir enfrentar adequadamente a crise climática de forma a garantir que nenhum país seja deixado para trás e que todos encontrem o seu caminho neste caminho ”. Estamos fazendo o suficiente para salvar o planeta? A Ditebogo desafiou os participantes e todas as partes interessadas globalmente. Todos precisam fazer sua parte e não há tempo para assistir. 

Fr. Augusto Zampini, Secretário AdjuntoDicastério para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral / Vaticano 

Durante dez dias, o Vaticano com vários parceiros celebrou o progresso que os católicos fizeram para dar vida a Laudato Si 'e inspirar os fiéis à frente da Conferência da ONU sobre Biodiversidade (COP15), a 26th Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26) e a próxima década. Este webinar também foi uma oportunidade para destacar como Laudato Si 'inspirou mensagens católicas em torno desses processos, apontando que a crise climática e a perda de biodiversidade em espiral são a mesma crise induzida pelo homem. Com este painel online, os organizadores visaram fornecer uma plataforma para que representantes da juventude global e das comunidades indígenas fossem ouvidos e guiar nossa escuta “o grito da terra e o grito dos pobres” como um só grito. 

Augusto Zampini destacou a necessidade de voltar às raízes para promover a mudança que queremos ver em nosso planeta: “Temos que ver qual é a mentalidade de raiz e raízes que temos em todas essas crises. Em primeiro lugar, a mentalidade extrativista, que extraímos da terra, extraímos das pessoas, extraímos dos outros, sem estarmos relacionados com eles e isso está criando um problema enorme, não só ambientalmente, mas socialmente ”. 

Por fim, refletiu sobre os primeiros passos que devemos dar para isso: “Primeiro é preciso amar e, portanto, se amamos, ouvimos o clamor dos entes queridos”. 

Joseph Gregório Díaz Mirabal, Coordenador, Congresso Indígena Organizações da Bacia Amazônica (COICA)   

Uma das mensagens do webinar é que nos acordos e ações sobre clima e biodiversidade em nível global, nacional e local, os direitos dos povos indígenas e das comunidades locais devem ser respeitados, protegidos e promovidos, por meio de sua participação ativa na tomada de decisões, especialmente quando se trata de segurança de terras. José Gregorio destacou a importância do conhecimento ancestral e o papel crucial que as comunidades indígenas desempenham na proteção da biodiversidade em todo o mundo. “Temos ótimas soluções, mas elas não são ouvidas. 80% da biodiversidade e 30% dos territórios mais bem conservados estão em territórios indígenas, mas qual é a resposta de governos e empresas? Desmatamento, pesticidas, gado excessivo e isso vai contra a nossa visão de conservação. Ainda existem 400 bilhões de árvores vivas na Bacia Amazônica e somos 3 milhões de indígenas que estão vivos apesar da pandemia, assassinato e violência na Amazônia ”. 

Antes da COP 26, a sociedade civil está clamando por uma ambição e ação de curto prazo cada vez mais urgentes nos PADs, a fim de entrar no caminho certo para limitar o aquecimento global a 1.5 graus Celsius. Enquanto isso, na Convenção para Diversidade Biológica COP 15, precisamos ver a adoção de um novo acordo global ambicioso e equitativo para garantir que não haverá mais perda de biodiversidade, protegendo o que está intacto e restaurando e gerenciando de forma sustentável todas as terras e águas .  

“Nossa mensagem da bacia amazônica é que não é possível viver sem floresta, sem natureza, sem árvores, sem água. Não há vida. É incrível que o comércio mundial e as empresas transnacionais continuem a queimar e desmatar a floresta amazônica quando a economia mundial depende dos ecossistemas, mas não entendemos isso. Queremos fazer um apelo a todas as religiões do mundo: vamos nos unir para reviver, lutar e salvar a vida do planeta ”, lembrou José Gregorio.  

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais