Uma década perdida: as empresas falharam em se policiar, é hora de substituir os princípios voluntários por leis fortes - CIDSE

Uma década perdida: as empresas falharam em se policiar, é hora de substituir os princípios voluntários por leis fortes

Foto: Nações Unidas.

O mundo está enfrentando uma crise dupla: os impactos da pandemia de coronavírus, que expôs o peso do risco nas cadeias de abastecimento que recai de forma desigual sobre os trabalhadores e comunidades mais pobres, e a crise contínua do clima e da biodiversidade, cujos impactos estão atingindo de forma semelhante os mais vulneráveis ​​com mais força. Devemos agora reconstruir uma economia que proteja as comunidades, os trabalhadores e o meio ambiente - inclusive dos impactos negativos das empresas.

Os Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Negócios e Direitos Humanos (UNGPs), endossado em 16 de junho de 2011, tem sido uma estrutura importante para estabelecer a responsabilidade dos Estados de proteger os direitos humanos (pilar 1), a responsabilidade das empresas de respeitar os direitos humanos (pilar 2) e de facilitar o acesso a reparação para os prejudicados ( pilar 3).

No entanto, eles não são princípios juridicamente vinculativos, e não foram suficientemente convertidos em normas vinculativas e executáveis. Até o momento, sua implementação priorizou iniciativas corporativas voluntárias. Essas iniciativas não conseguiram mudar significativamente a forma como as empresas operam ou obter justiça para as vítimas de abuso corporativo e criaram um campo de jogo desigual para as empresas.

Os UNGPs também contêm algumas omissões significativas, incluindo o direito das comunidades de dizer “não” à atividade corporativa em suas terras e territórios (independentemente de qualquer ação das empresas para prevenir ou mitigar impactos prejudiciais) e a interdependência dos direitos humanos e do meio ambiente.

Hoje, as comunidades no Sul Global continuam a enfrentar abusos de direitos humanos e destruição ambiental como resultado das operações e cadeias de abastecimento de poderosas empresas multinacionais sediadas em países mais ricos, inclusive na Europa. Esses impactos incluem a perda de vidas e meios de subsistência de trabalhadores, indivíduos e comunidades em todo o mundo; poluição de recursos naturais inestimáveis, como rios, terras e florestas; violação dos direitos dos povos indígenas e dos trabalhadores do meio rural, perda da biodiversidade.

Agora é a hora de regras legalmente vinculativas e aplicáveis sobre os direitos humanos e o ambiente a nível nacional, da UE e da ONU. As empresas devem ser responsabilizadas pelos danos que causam, contribuem ou estão diretamente ligadas, mesmo quando isso aconteça fora das fronteiras nacionais. As comunidades e as vítimas devem ter acesso à justiça pelos danos que sofrem.

Exigimos um forte Tratado de Obrigação da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos, que responsabilizaria as empresas pelos direitos humanos e abuso ambiental de acordo com o direito internacional. Apoiamos também as leis nacionais e regionais que incluem disposições fortes sobre responsabilidade e acesso à justiça - o que a lei da UE proposta sobre direitos humanos obrigatórios e devida diligência ambiental tem potencial para ser.

Leis fortes garantirão que as empresas que façam a coisa certa não será prejudicado por empresas irresponsáveis ​​que operam de acordo com padrões mais baixos e que as empresas europeias não lucrarão com os abusos cometidos fora da vista.

A única maneira de mudar o comportamento das empresas é consagrar o respeito pelos direitos humanos e pelo meio ambiente no direito internacional vinculativo.

ORGANIZAÇÕES SIGNATÓRIAS

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange