Dois anos após o Sínodo Amazônico: as vozes das mulheres indígenas mais relevantes do que nunca - CIDSE

Dois anos após o Sínodo da Amazônia: as vozes das mulheres indígenas mais relevantes do que nunca

Em outubro de 2019, mais de duzentas pessoas se reuniram por três semanas em Roma para o Sínodo Amazônico para discutir Ecologia Integral, a Amazônia e a Igreja. Este importante encontro teve como objetivo colocar no centro da reflexão da Igreja a vida de 34 milhões de pessoas, bem como a proteção de todas as formas de vida nesta região e sua biodiversidade, como uma contribuição fundamental para o cuidado da nossa casa comum. Abriu um diálogo importante com as comunidades locais e levantou suas vozes. Dois anos depois do Sínodo Amazônico, compartilhamos novamente alguns desses testemunhos que ainda são muito atuais.  

A série 'Vozes das Mulheres: Sínodo Amazônico', da qual compartilhamos exceções abaixo, foi originalmente publicada por Escritório Maryknoll para preocupações globais, Membro da CIDSE radicado nos EUA.

Visolela Rosalinda “Rosa” Namises

Pouco antes do Sínodo da Amazônia, a Missionária Leiga Maryknoll, Kathy Bond, entrevistou mulheres indígenas e mulheres convidadas a participar. Uma dessas mulheres indígenas era Visolela Rosalinda “Rosa” Namises, ativista social, pela igualdade de gênero e pelos direitos humanos e chefe do povo / Khomanin na Namíbia. Quando perguntado 'O que você gostaria de dizer ao Papa Francisco e a todos aqueles que se reuniram em Roma para o Sínodo da Amazônia sobre o valor das tradições indígenas e da espiritualidade em um mundo quebrado? ' ela respondeu:

“Quero dizer obrigado por esta oportunidade que raramente é dada a nós como mulheres e especialmente mulheres na perspectiva das culturas indígenas [...] Eu sei que seus ensinamentos não eram católicos. Eles eram indígenas. As orações, as bênçãos com água, o incenso que nós, católicos, usamos hoje, principalmente no batismo, tudo vem dos indígenas. Se perdermos a Amazônia, se perdermos nosso estilo de vida indígena, se matarmos nossas mães e nossos pais - os detentores dessa sabedoria - e se deixarmos de protegê-los, isso prejudicará as gerações vindouras, incluindo os novos padres que irão. tornar-se bispos e papa. Peço a vocês, enquanto vocês deliberam, encontrar um pequeno espaço em seus corações para proteger a Amazônia, para proteger os modos de vida dos povos indígenas ”.  

Medicina Doce

Outra mulher indígena entrevistada antes do Sínodo foi Sweet Medicine Nation, uma curandeira nativa americana da linhagem de Chickasaw. Vivendo na floresta verde do Oregon nos últimos 50 anos, ela trabalhou para dar voz às coisas da natureza que não podem falar. 

Medicina Doce: “O que eu gostaria de falar em um Sínodo é para falar por todos aqueles que não têm voz [e nenhuma maneira] de estar em um Sínodo: as árvores, a água e os animais. [...] Eu falaria pelos animais que estão se extinguindo por causa da nossa ganância. [...] Queria falar da vulnerabilidade de querer controlar as coisas que são naturais. [...] Eu diria que vim aqui como um representante do mundo das nações que não podem estar diante de vocês hoje e eu [diria] considerar quem e o que é a lei superior. A lei natural já existia antes de termos a linguagem. E quem somos nós para sentir que temos a lei superior quando está nas mãos de Deus, as mãos do grande Mistério. O que acontece conosco? Devemos guardar e proteger o conhecimento e a sabedoria de nosso conselho interno antes mesmo de nos entregarmos a outros conselhos. Eu pediria a cada um de vocês [no Sínodo sobre a Amazônia] que, quando você delibere e toma decisões, considere o total daqueles de quem foi encarregado de cuidar. Os peixes não podem voltar para casa se estivermos cultivando, poluindo lagos, rios e oceanos. Estamos criando peixes. Eles não querem ser cultivados, eles querem ser livres assim como você e eu. Precisamos nos lembrar da compaixão e do não julgamento. … Não entendemos o jeito dos outros até andarmos em seus mocassins ”.

Como representante da Cry for Life Network (Rede um Grito pela Vida), trabalhando no combate ao tráfico de pessoas na região amazônica do Brasil, a irmã Roselei Bertoldo foi uma das convidadas a participar do Sínodo. Por meio de seu envolvimento no processo que conduziu ao Sínodo, ela ouviu as vozes de mulheres em toda a Amazônia nomeando situações de morte, por exemplo, a destruição do meio ambiente e comunidades indígenas. “As mulheres da Amazônia trazem à tona todas essas realidades: a migração interna e a imigração internacional, a falta de empregos e oportunidades de vida. A expulsão de comunidades nas regiões rurais devido a megaprojetos como hidrelétricas, mineração e agro-negócios também destrói as culturas locais. ” 

Roselei Bertoldo

“Levarei ao Papa Francisco as vozes dessas mulheres que dizem que a Igreja não pode se calar diante de tais violações. No processo de evangelização, a Igreja deve proteger a vida. Quando as mulheres são violadas, quando seus corpos são violados, o Corpo de Cristo é violado. Muitas mulheres dizem que a Igreja está presente, cuidando do povo, de sua cultura e da terra. Onde a Igreja Católica não está mais presente, porém, por exemplo, onde igrejas evangélicas foram plantadas, alguns dizem que tem havido um aumento na mineração e exploração ilegal. Queremos dizer ao Papa Francisco que a Igreja desempenha um papel importante na proteção da vida na Amazônia. Não se pode falar de evangelização na Amazônia sem considerar os problemas da violência contra a mulher, feminicídio, violência contra a juventude, abuso e exploração sexual ”.

No Sínodo Amazônico, 36 mulheres puderam participar. Irmã Roselei Bertoldo: “Nós, mulheres, demos grandes passos. Podemos não ser capazes de traduzir o que todos eles significam agora, mas temos certeza de que deixamos um legado para as gerações futuras, abrindo novos caminhos para uma igreja com rosto feminino e feminista, uma igreja que constrói e cresce, para que temos comunidades que cuidam da vida e de nossa casa comum. '  

Josianne Gauthier

Esse sentimento foi repetido pela Secretária Geral da CIDSE, Josianne Gauthier. Convidada a participar do Sínodo como convidada especial, ela ficou profundamente comovida com as mulheres presentes. “Essas mulheres, de todas as partes da Amazônia, refletiam muitas visões e identidades diferentes: indígenas, leigas e religiosas. Eles eram fortes, eram ouvidos, impunham respeito e exigiam ação. A força bruta de seus testemunhos corajosos dentro e fora das discussões sinodais, assim como sua contribuição inestimável para a vida da Igreja na Amazônia, mostra um amor pela humanidade e por nossa Casa Comum que surgiu com paixão e urgência. Aprendi muito com cada um deles e sei que isso também faz parte da mudança profunda e iluminadora na Igreja que deve continuar após o Sínodo ”.

Fontes:  

  

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange