Uma parceria ainda desigual: A Cimeira UE-UA - CIDSE

Uma parceria ainda desigual: A Cimeira UE-UA

Inicialmente convocado para 2020, mas adiado por causa da pandemia COVID-19 e tensões políticas, o 6th A Cimeira entre a União Europeia (UE) e a União Africana (UA) irá ocorrer em fevereiro de 2022. 

O objetivo desta Cimeira, conforme delineado na Comunicação Conjunta “Rumo a uma estratégia abrangente com a África“, É trabalhar em cinco tendências globais principais: Transição Verde e Acesso à Energia; Transformação Digital; Crescimento Sustentável e Empregos; Paz; Segurança e governança e migração.  

Em 2020, já, cAs organizações da sociedade civil (OSC) alegaram que a Estratégia da UE para a África se concentrava na criação de um ambiente propício para os interesses comerciais do setor privado em grande escala, em vez de construir um futuro mais próspero, pacífico e sustentável para todos. 

Uma análise simples dessas prioridades leva de fato a uma primeira conclusão surpreendente. A presente comunicação conjunta não menciona a agricultura, um setor que representa cerca de 16% do PIB africano e emprega 50% da sua população. Uma grande parte dessa população é formada principalmente por famílias que dependem da agricultura familiar e da produção de alimentos em pequena escala para seu sustento. A ausência da agricultura na estratégia da UE com África é ainda mais preocupante tendo em conta a situação atual do continente africano. A prevalência da desnutrição em 2020 voltou ao nível de 2005, aumentando significativamente na África Ocidental e Austral. As causas incluem mudança climática, a pandemia de COVID-19, insegurança e instabilidade políticae investimentos do setor privado. 

Enquanto o setor privado usa esta situação dramática fazer lobby por inovação tecnológica e soluções lideradas pelo mercado, a revisão da literatura é bastante matizada quanto ao seu impacto. Um recente relatório de Misereor afirma que os atores privados na África estão cultivando apenas 11% das terras que compraram e exportando uma grande parte de sua colheita. Sua contribuição para o abastecimento do mercado local e a segurança alimentar permanece, portanto, limitada. Isso é particularmente preocupante, pois mais de 25 milhões de hectares de negócios de terras foram concluídos em 2021 em todo o continente.  

Além disso, o estudo de Misereor mostra que aqueles que cultivam seus lotes de terra em pequena escala geralmente obtêm rendimentos mais elevados por hectare do que as Aquisições de Terra em Grande Escala (LSLA). Embora a LSLA possa impactar positivamente em termos de criação de infraestrutura, emprego e efeitos colaterais, seus benefícios permanecem limitados. Por outro lado, as consequências negativas para a população são terríveis, incluindo a perda de acesso à terra e uma significativa dispensa de mão-de-obra.  

Com base nesta análise, as OSCs africanas e europeias uniram forças em torno de uma agenda diferente, promovendo agroecologia, direitos da terra, responsabilidade corporativae inclusão, dando voz às comunidades afetadas por abusos corporativos, mudanças climáticas e grilagem de terras. Nós sabemos, por exemplo, que a agroecologia pode ajudar os pequenos agricultores a melhorar a produtividade seguindo abordagens ecológicas e colocando os agricultores e os direitos humanos no centro. Também permite que os agricultores desenvolvam seus projetos agrícolas em suas terras e ser resiliente e autônomo. O trabalho conjunto com parceiros africanos está abrindo espaços para consultas de OSCs e para que atores africanos façam suas recomendações sobre a futura parceria entre a União Africana e a União Europeia.  

No entanto, a roda não precisa ser reinventada. Existem ferramentas e processos internacionais - como o rascunho de um Tratado Vinculativo da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos, a proposta de Legislação Européia de Due Diligence, o Acordo de Paris e a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Camponeses - que, infelizmente, a maioria dos Estados Membros europeus não ratificaram. A parceria UE-UA tem de se enquadrar nessas linhas. Para ter sucesso, as vozes das comunidades locais africanas devem ser ouvidas e seus direitos respeitados e promovidos.  

Leitura adicional
Vejo: Nossa Terra é a declaração da plataforma Nossa Vida publicado antes da reunião ministerial dos Ministros das Relações Exteriores da África e da Europa em 26 de outubro de 2021 com o apoio da CIDSE (EN - FR).

Contato: Vincent Dauby, Oficial de Agroecologia e Soberania Alimentar da CIDSE, dauby (at) cidse.org

Foto de Pexels por Omotayo Tajudeen

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange