Análise da Terceira Minuta do Tratado das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos - CIDSE

Análise da Terceira Minuta do Tratado das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos

Um estudo do Prof. Dr. Markus Krajewski, Professor de Direito Público e Internacional da Universidade de Erlangen-Nürnberg (Alemanha) publicado pelo CIDSE.

O fenómeno das violações dos direitos humanos e da destruição do ambiente resultante das operações de empresas europeias e internacionais não é novo. No entanto, a situação se deteriorou recentemente com o aumento do desmatamento, grilagem de terras e ataques letais aos direitos humanos e aos defensores ambientais em todo o mundo. As diretrizes voluntárias e as resoluções de autorregulação não têm se mostrado suficientes, pois muitas empresas se recusam a assumir a responsabilidade pelo impacto de suas atividades. Como resultado, a maioria das comunidades afetadas pelas ações das operações corporativas se viu sem qualquer forma de justiça. Um instrumento juridicamente vinculativo para regular, no direito internacional dos direitos humanos, as atividades das empresas transnacionais e outras empresas comerciais é uma parte essencial da resposta às ameaças enfrentadas pelas pessoas e pelo meio ambiente. UMA terceiro rascunho revisado do LBI será negociado em Genebra de 25 a 29 de outubro de 2021. 

Neste curso novo estudo publicado pela CIDSE, Prof. Dr. Markus Krajewski discute disposições sobre responsabilidade para empresas, jurisdição aplicável, direitos ambientais e proteção de defensores de direitos humanos, entre outros. Ele apresenta uma análise jurídica e sugestões textuais para melhorar o rascunho atual nessas diferentes questões e conclui que o Terceiro Rascunho Revisado deve ser fortalecido em algumas áreas, mas está maduro para negociações. O resultado é um comentário aprofundado e um guia sobre as disposições cruciais do atual projeto de texto.  

Josianne Gauthier, Secretária-Geral do CIDSE, acredita que a mensagem central do estudo é que o rascunho poderia ser mais preciso e eficaz para proteger os direitos humanos e o meio ambiente. Ela concorda que é chegada a hora do Tratado e que os governos devem aproveitar a oportunidade.

Desenvolvimentos recentes na Europa também mostram que chegou o momento de regulamentar o comportamento das corporações. A lei francesa sobre o devoir de vigilância, a lei sobre a responsabilidade corporativa na Alemanha, a lei sobre o trabalho infantil em cadeias de abastecimento na Holanda e as discussões em outros países da UE provam que existe uma vontade política crescente para lidar com essa questão.  

No entanto, a União Europeia está ausente da mesa de negociações do Tratado Vinculativo da ONU. A Comissão Europeia ainda não tem mandato do Conselho para se envolver no processo e os Estados-Membros têm estado quase ausentes. A CIDSE continua a apelar à UE para que se envolva ativa e progressivamente nas negociações, especialmente tendo em conta a futura Diretiva sobre Governança Corporativa Sustentável. Como negociações durante o 7th A sessão se distanciará das declarações gerais e se dirigirá a emendas textuais substanciais. A CIDSE espera que esta análise jurídica ajude os Estados Partes nas negociações que objetivam melhorar o texto para fortalecer a proteção dos direitos humanos e do meio ambiente e impedir a impunidade corporativa.  


Contato: Giuseppe Cioffo, Diretor de Regulação Corporativa (cioffo (at) cidse.org)

Crédito da foto: Ricardo Sturck


Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange