Soluções globais para problemas globais - CIDSE

Soluções globais para problemas globais

Por que a legislação da UE e um instrumento da ONU sobre responsabilidade corporativa devem ser complementares. Um briefing de política por CIDSE, ECCJ, ECCHR, FIDH e Amigos da Terra-Europa, outubro de 2021

Enquanto os Estados e a sociedade civil discutem a adoção de regras obrigatórias para as empresas no Conselho de Direitos Humanos esta semana, as atividades corporativas em todo o mundo continuam a representar uma séria ameaça para as pessoas e o planeta. A adoção de um Instrumento Legalmente Vinculativo da ONU sobre negócios e direitos humanos seria um passo importante para preencher a lacuna global que permite que as empresas escapem de suas responsabilidades quando causam ou contribuem para o dano. 
Embora se espere que a Comissão Europeia apresente legislação em toda a União para regular as atividades das empresas no que diz respeito ao seu impacto nos direitos humanos e no ambiente, a UE tem estado quase sempre ausente das negociações da ONU. A razão avançada para a ausência da UE tem sido frequentemente a necessidade de adotar um instrumento europeu regional antes de iniciar negociações globais.  

Numa nova briefing de política publicado hoje, CIDSE, Friends of the Earth Europe, a Coalizão Europeia para Justiça Corporativa (ECCJ), a Federação Internacional de Direitos Humanos (FIDH) e o Centro Europeu de Direitos Constitucionais e Humanos (ECCHR) argumentam que a UE deve se engajar no processo para um instrumento juridicamente vinculativo da ONU “garantir que as reformas regionais da UE se inspirem e complementem as reformas a nível internacional - em particular no que diz respeito à responsabilidade das empresas e barreiras à justiça - e que as pessoas afetadas por violações não fiquem sem proteção, evitando que os detentores de direitos e as empresas possam ser sujeitos a padrões conflitantes de região para região".  

Contato: Giuseppe Cioffo, Diretor de Regulação Corporativa (cioffo (at) cidse.org)


Foto de crédito: Victor Barro / Amigos da Terra Internacional

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange