Bertha Zùniga Càceres, de Honduras, dirige-se aos Comissários Reynders e Breton - CIDSE
Daniel Cima

Bertha Zùniga Càceres, de Honduras, dirige-se aos comissários Reynders e Breton

"A nova lei da UE deve evitar abusos como o que minha família experimentou"


Em março de 2016, Bertha Càceres foi morta a tiros em sua casa em La Esperanza (Honduras) por causa do papel de destaque que desempenhou na luta do povo indígena hondurenho Lenca para proteger suas terras de um projeto de barragem hidrelétrica que os teria privado de território e patrimônio. O investimento, liderado por um consórcio de financiadores internacionais, teve a oposição do povo Lenca desde o seu início e foi executado de forma violenta e ilegal com o apoio do governo hondurenho. A empresa responsável pelo projeto, de fato, ignorou as normas internacionais de direitos humanos e não consultou as comunidades indígenas, recorrendo à violência fatal quando se deparou com a oposição.

Ontem, a filha de Berta Càceres, Bertha Zùniga Càceres, Diretora Executiva da COPINH, escreveu aos Comissários Europeus, Thierry Breton (Comissário para o Mercado Interno) e Didier Reynders (Comissário para a Justiça) sobre a próxima diretiva de governança corporativa sustentável. Ela perguntou a eles “para garantir que a legislação seja robusta e eficaz, a fim de evitar violações brutais dos direitos humanos corporativos, como o que minha família tem experimentado. "

A luta do povo Lenca, de Bertha e sua filha é apenas um exemplo da luta diária das comunidades indígenas e camponesas para proteger terras, fontes de água, florestas e nossa família humana dos impactos negativos das atividades empresariais. A próxima proposta de Governança Corporativa Sustentável pode ser uma virada de jogo para as comunidades que enfrentam o abuso corporativo em todo o mundo. Para que isso aconteça, a lei deve garantir fortes obrigações de devida diligência, consulta às comunidades locais, proteção contra retaliação e disposições rígidas sobre acesso a recursos e justiça.

A Diretriz de Governança Corporativa Sustentável, que deverá ser apresentado pela Comissão Europeia em dezembro, conterá disposições sobre direitos humanos obrigatórios e due diligence ambiental para empresas sediadas e operando na Europa. No entanto, não está claro até que ponto a lei irá efetivamente abordar os obstáculos que as comunidades e os povos indígenas enfrentam no acesso à justiça pelos danos causados ​​pelas atividades comerciais.

A carta de Bertha Zùniga vem depois de defensores dos direitos humanos e do meio ambiente Éster Kiobel e Saeeda Khatoon escreveu aos Comissários Reynders e Breton solicitando que a próxima proposta legislativa europeia incluísse disposições fortes sobre o acesso à justiça para as pessoas afetadas por abusos corporativos. Esperamos que suas vozes, falando também em nome de muitas comunidades, sejam ouvidas.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange