Declaração conjunta da Cimeira dos Povos Africanos – CIDSE

Declaração conjunta da Cimeira do Povo Africano

“O que quer que seja feito pela África
sem o povo africano não é para a África”.

A declaração conjunta de Movimentos Sociais e Agricultores Camponeses, Organizações Religiosas e OSCs entregue no “Cimeira do Povo Africano” antes da 6ª Cimeira UE-África, exigindo mais espaço para as OSC e medidas para garantir a justiça fundiária e a agroecologia.


Contexto
Nós, membros de uma ampla aliança de movimentos sociais e camponeses[1], organizações religiosas e sociedade civil[2] em toda a África e na Europa observam com grande apreensão que a UE e a União Africana realizam o seu 6ºth cume. Nos últimos 20 anos de parceria, não vimos nenhum benefício adicional significativo dessa parceria, que não conseguiu melhorar os meios de subsistência das comunidades rurais africanas. Essa parceria e outras semelhantes com outras regiões do mundo têm se mostrado antes estruturas sombra que facilitam a grilagem de terras, a espoliação de recursos naturais, a impunidade corporativa em curso com a cumplicidade de autoridades nacionais e internacionais, com a expansão agressiva do mercado que vem à custa da prosperidade e dos habitats das pessoas. 

Lamentamos constatar que estas questões de extrema urgência para África raramente chegam ao centro da mesa de negociações das discussões da Cimeira. Caso contrário, como explicar que os sistemas alimentares e a agricultura e a resposta ao Covid-19 não faziam parte dos temas inicialmente propostos para a Cúpula?

Não obstante a mensagem de promoção de uma relação de igualdade por parte dos líderes da UE, observamos com preocupação que o legado do colonialismo, agora transformado em uma espécie de neocolonialismo liderado pelas corporações, e substanciais assimetrias de poder persistem na parceria, que continuam a inclinar a parceria a favor da UE estruturalmente. É preocupante e problemático que não haja um esforço significativo por parte da UE para lidar com este passado doloroso e sombrio. É realmente necessária uma abordagem diferente para uma relação mais transformadora entre os dois continentes. O terrorismo e os conflitos no Sahel e em outras regiões da África e a migração forçada de jovens africanos que atravessam o Mar Mediterrâneo são produtos da extrema pobreza, desigualdade, emergência climática e crises econômicas. [3]

Fazemos eco das palavras essenciais do falecido Bispo Desmond Tutu e dizemos que nós, africanos, não estamos interessados ​​em apanhar migalhas de compaixão. Queremos e exigimos o cardápio completo de direitos.

Visão dos Povos Africanos
Rejeitamos parcerias que abordem os sintomas e não as necessidades reais do povo africano e sua visão de um mundo onde todos possam desfrutar de seu quinhão das dádivas da criação. Vislumbramos uma cultura de solidariedade e democratização da Ubuntu, onde as pessoas – pobres, jovens e mulheres – e o meio ambiente estão no centro das políticas econômicas e sociais. Queremos uma África que possa definir e moldar suas relações com outras regiões e potências mundiais. Ainda assim, acima de tudo, isso coloca a dignidade e o bem-estar de todos os africanos no centro de sua formulação de políticas. 

Convencidos de que os povos africanos merecem melhor consideração na parceria, recomendamos aos líderes europeus e africanos que levem em consideração os seguintes pontos:

  • Garantir espaço para os atores da sociedade civil dentro e fora dos espaços decisórios. Atores da sociedade civil lutam para ocupar seu lugar à mesa, enquanto outros podem optar por permanecer 'de fora'. Ambos devem poder fazer ouvir suas vozes de forma livre e segura e influenciar as decisões.  
  • Apoiar os governos nacionais – juntamente com a Sociedade Civil – na implementação da Estratégia Africana de Governação da Terra que garantirá o direito consuetudinário das comunidades, os direitos das mulheres e dos jovens e o acesso à terra e, em última análise, reduzir os desafios da governação da terra no continente. 
  • Acabar com o financiamento de projetos de Aquisição de Terras em Grande Escala e investimentos especulativos de bancos públicos de desenvolvimento que resultem em grilagem de terras.
  • Reconhecer, valorizar e apoiar o vasto potencial da agroecologia camponesa para aumentar de forma sustentável a segurança e a soberania alimentar, reduzir a pobreza e a fome, enquanto conserva a biodiversidade e respeita o conhecimento e a inovação indígenas. Isso requer uma mudança no tipo de programas de desenvolvimento que são financiados, pois a tendência mostra claramente que essa abordagem transformadora é amplamente ignorada pelos financiadores públicos.[4]
  • Reconhecer a agricultura familiar de pequena escala como um modelo estrutural viável para o desenvolvimento do setor agrícola na África.[5]
  • Apoiar e desenvolver o conceito de sistemas alimentares territoriais, descentralizando a agregação de valor, estimulando a economia rural e promovendo a governança alimentar local. 
  • Envolver-se proativamente nas negociações para um tratado vinculante da ONU sobre Corporações Transnacionais e Direitos Humanos para preencher a lacuna legal no direito internacional e responsabilizar as grandes empresas por violações em suas cadeias de suprimentos. A lei de due diligence da UE não deve ser vista como uma desculpa para a região não participar deste processo internacional, mas sim como complementar.
  • Cumpra o prometido enviando de forma eficaz e urgente aos países africanos as quantidades de vacina Covid-19 que prometeu sob a iniciativa Covax.
  • Apoiar a iniciativa da Índia e da África do Sul para uma moratória de patentes sobre vacinas Covid na OMC até o fim da pandemia. Além disso, a UE deve pressionar as empresas de vacinas CVI a concordar com sua transferência de tecnologia.
  • Demonstre reduções de emissões ambiciosas e evite a lavagem verde.
  • Apoiar investimentos em uma transição de energia limpa descentralizada adaptada à África, como a energia solar.
  • Garantir que as terras africanas não sejam vistas como ativos de carbono destinados a compensar as emissões dos principais poluidores – Estados e empresas – sob a cobertura de potenciais créditos de carbono que só resultarão no aumento da financeirização da natureza. 
  • Apoiar o conhecimento, o know-how, as habilidades para a vida e nossa visão para o futuro, não alcançados por patentes de vida. Desencorajamos os países a se inscreverem na União Internacional para a Proteção de Novas Variedades de Plantas. Mas pedimos o apoio e o desenvolvimento de sementes camponesas, alimentos e sistemas terapêuticos adaptados e acessíveis.
  • Proteger os defensores dos direitos humanos, particularmente aqueles que trabalham para proteger a terra, a água e os recursos naturais, e denunciar sua criminalização.
  • Apoiar e aplicar a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Camponeses e Trabalhadores Rurais, garantindo que as atividades relevantes de cooperação internacional, incluindo programas de desenvolvimento internacional, sejam inclusivas, acessíveis e úteis para os camponeses e outras pessoas que trabalham nas áreas rurais; e que os camponeses e outras pessoas que trabalham no meio rural têm o direito de definir e estabelecer prioridades e estratégias para o exercício do seu direito ao desenvolvimento.

[1] Camponeses incluem pessoas envolvidas na agricultura artesanal ou de pequena escala, plantação de culturas, pecuária, pastorícia, silvicultura, caça ou coleta e artesanato relacionado à agricultura ou uma ocupação relacionada na área rural, conforme definido no Artigo 1, parágrafo 2, das Nações Unidas Declaração sobre os Direitos dos Camponeses e Trabalhadores Rurais (UNDROP)
[2] Declaração da Sociedade Civil Africana: http://aefjn.org/en/our-land-is-our-life-declaration/
[3] Declaração da Sociedade Civil Africana: http://aefjn.org/en/our-land-is-our-life-declaration/
[4] https://www.cidse.org/wp-content/uploads/2020/09/CIDSE-Agroecology-and-Finance-Briefing-Sept-2020-1.pdf
[5] Neudert & L.Voget-Kleschin, Quais são os efeitos das aquisições de terras em larga escala na África em indicadores econômicos e sociais selecionados. MISEREOR

Organizadores


com o apoio de outros atores do Nossa Terra é Nossa Plataforma de Vida 

Organizações signatárias
África (133)

  1. Ação Batwa Pour Le Développement Integral et L'Assistance Aux Vulnerables (ABDIAV), Burundi
  2. Action pour la Protection Sociale en Afrique, Costa do Marfim
  3. Action pour le Développement Durable, Mali
  4. ActionAid Quênia
  5. ActionAid Senegal
  6. ADDAD, Benim
  7. ADDAD, Burkina Faso
  8. ADDAD, Costa do Marfim
  9. ADDAD, Gambia
  10. ADDAD, Gana
  11. ADDAD, Mali
  12. ADDAD, República da Guiné
  13. ADDAD, Senegal
  14. ADDAD, Togo
  15. Rede África Europa Fé Justiça, Quênia
  16. Rede África Europa Fé Justiça, Nigéria
  17. Afrique Europe Foi et Justice Network, Camarões
  18. Agissons Pour Sauver, Benin
  19. AJUPE, République de Guinée
  20. Toda a Plataforma Florestal da Gâmbia
  21. Alliance Citoyenne pour le Développement Durable, République de Guinée
  22. Aliança para a Soberania Alimentar na África (AFSA), Uganda
  23. Alliance Nationale des Acteurs au développement en Guinée
  24. AOPP, Mali
  25. Arable International, Quênia
  26. Association de Producteurs de Mangues et d'Ananas d'Iemberem et Cambeque, Guiné Bissau
  27. Association de Soutien à l'Autopromotion Sanitaire Urbaine
  28. Association des Femmes Dynamiques de Yopougon, Costa do Marfim
  29. Association des Jeunes Universitaires pour la Protection de l'Environnement, République de Guinée
  30. Associação Paysan Noir, Senegal
  31. Association pour l'Integration et le Développement Durable au Burundi, AIDB (Fórum Indígena)
  32. Association pour la Défense de l'Environnement et des Consommateurs
  33. Association pour la Défense des Droits des Aides Ménagères et Domestiques
  34. Association pour le Développement Durable, Medenine, Tunisie
  35. Associação Raibani Kawral Rkiz, Mauritânia
  36. Association Trait d'Union des Jeunes Guinéens, République de Guinée
  37. ATTAC/ADDEA, Senegal
  38. ATTAC-Togo
  39. Banlieue du Monde, Mauritânia
  40. Biowatch, África do Sul
  41. CAD, Mali
  42. Capan, Cesa, Burkina Faso
  43. Cáritas África
  44. Cáritas Embu
  45. CCPA, Senegal
  46. Centro de Conhecimento Indígena e Desenvolvimento Organizacional (CIKOD), Gana
  47. Centro para o Desenvolvimento dos Direitos das Minorias, Quênia
  48. CERFLA, Senegal
  49. CMAT, Mali
  50. Collectif des OSC Guinéennes pour la Défense Des Droits Des Communautés-République de Guinée
  51. Comité de Solidarité avec les Victimes de Violations des Droits Humains, Mauritânia
  52. Comité Regional de Solidarité des Femmes pour la Paix en Casamance/Usoforal, Senegal
  53. Confédération Nationale Paysanne, République de Guinée
  54. Conseil National de l'Agriculture Biologique, Burkina Faso
  55. Coordination Maghrébine des Organizations des Droits Humains
  56. CRAPH, ENDA, PRONAT, Senegal
  57. Fórum de Pequenos Agricultores da África Oriental e Austral (ESAFF)
  58. Rede SusWatch da África Oriental
  59. Associação Ecumênica de Agricultura Sustentável e Desenvolvimento Rural, Gana
  60. Entente de Diouloulou/Ziguinchor, Senegal
  61. Espace d'Integration des Jeunes Défavorisés
  62. FAPD-Senegal
  63. Federacion de Comites de Solidaridad con Africa Negra- Umoya
  64. Fédération des Coopératives Maraichères, Níger
  65. Fédération des Paysans du Foutah Djallon, République de Guinée
  66. Fédération Nationale Des Communes Pastorales, Costa do Marfim
  67. Fédération Nationale du Secteur Agricole, Marrocos
  68. FEDIA-Togo
  69. FENOSCI 
  70. Ferme Agropastorale de Mamou, République de Guinée
  71. FIAN Burkina Faso
  72. FIAN Uganda
  73. FIAN Zâmbia
  74. FIOPA, Costa do Marfim
  75. Foi et Justice, Camarões
  76. Fórum Social Senegalais – Senegal
  77. Amigos da Terra Moçambique
  78. GAJEL, Níger
  79. Cenário Verde
  80. Fórum Global de Povos Indígenas para o Desenvolvimento Sustentável, IPGFforSD (Plataforma Indígena Internacional)
  81. Instituto de Pesquisa e Promoção de Alternativas em Desenvolvimento (IRPAD/Afrique)-MALI-
  82. Instituto da Bem-Aventurada Virgem Maria (IBVM)
  83. Jeunes Volontaires pour l'Environnement, Níger
  84. Madee, Burkina Faso
  85. Merci Guinée, République de Guinée
  86. Missionários de Mariannhill
  87. Missionários do Sagrado Coração
  88. Irmãs Missionárias do Sagrado Coração de Jesus
  89. Movimento Gox Bi, Senegal
  90. NACOFAG, Gambia
  91. Nova Orientação para a Promoção do Desenvolvimento Sustentável em África
  92. NOVOX-Benim
  93. NOVOX-Togo
  94. OJEG-Senegal
  95. ONG Ocjud-Costa do Marfim
  96. ONG Optimiste, Costa do Marfim
  97. OPV, Costa do Marfim
  98. Organization des Jeunesses Panafricanistes-OJP, Senegal
  99. Panafricaine pour l'Education au Développement Durable, Senegal
  100. Parceria para o Desenvolvimento da Mulher Rural, Nigéria
  101. Fundação para a Paz e Desenvolvimento, Uganda
  102. PELUM Zâmbia
  103. Coalizão dos Povos pela Soberania Alimentar, África
  104. Rede de produtos
  105. Radio pacis
  106. Conferência Episcopal Regional da África Ocidental (RECOWA) 
  107. Réseau Africain pour le Droit à l'Alimentation, Senegal
  108. Réseau des Journalistes pour L'Eau, l'Hygiène et l'Assainissement, Níger
  109. Réseau d'Informatique et d'Appui aux ONG en République Démocratique Du Congo (RIAO-RDC)
  110. Réseau Maghrébin d'Associations de Développement Local en Milieu Rural
  111. S/Coop Gipa/An, Senegal
  112. Rede Serra Leoa sobre o Direito à Alimentação
  113. Sociedade de Cientistas Africanos da Terra
  114. Companhia do Santo Menino Jesus
  115. Apoio às Mulheres na Agricultura e no Meio Ambiente (SWAGEN)
  116. Simpósio de Conferências Episcopais da África e Madagascar (SECAM)
  117. Synergie Paysanne, Benin
  118. Organização da Tanzânia para o Desenvolvimento Agrícola (TOFAD)
  119. Trust for Community Outreach and Education (TCOE)
  120. UACDDDD/NOVOX, Mali
  121. UFSSIN, Costa do Marfim
  122. Coalizão de Uganda para o Desenvolvimento Sustentável
  123. Irmãs Ursulinas
  124. WASSA, Mali
  125. WILDAF, Benin
  126. WILDAF, Mali
  127. Mesa de Mulheres e Igualdade de Oportunidades, Moroto, Uganda
  128. Economia da Mulher e Apoio ao Gênero (WEGS)
  129. Wonsminka Logouale-Costa do Marfim
  130. YETIHO-Costa do Marfim, Organização Ivoirienne Pour La Paix, Costa do Marfim
  131. Zâmbia Alliance for Agroecology and Biodiversity (ZAAB), Zâmbia
  132. Fórum Social da Zâmbia (ZAMSOF) 
  133. 89.8 FM Radio Wa, Lira Uganda

Fora da África (24)

  1. Centro de Ação para o Desenvolvimento Rural, Suíça
  2. ActionAid International
  3. Rede África Europa Fé Justiça, Espanha
  4. Rede África Fé e Justiça, EUA 
  5. Afrikagrupperna, Suécia
  6. Attac-França
  7. Broederlijk Delen, Bélgica
  8. Brot für die Welt, Alemanha
  9. CCFD-Terre Solidaire, França
  10. Centro de Estudos Rurais e Agricultura Internacional, Espanha
  11. Confederação Paysanne-França
  12. Coordenação Européenne Via Campesina (ECVC)
  13. DKA, Áustria
  14. Organizações Cristãs Europeias de Ajuda e Desenvolvimento (EUCORD)
  15. Fastenaktion, Suíça
  16. FEC – Fundação Fé e Cooperação, Portugal
  17. Federazione Organismi Cristiani Servizio Internazionale Volontario (FOCSIV), Itália
  18. FIAN, Áustria
  19. FIAN, Bélgica
  20. Amigos da Terra Internacional
  21. Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e Solidariedade (CIDSE)
  22. Coalizão dos Povos pela Soberania Alimentar, Europa
  23. SOS Faim, Bélgica
  24. Welthaus Diözese Graz-Seckau, Áustria

Crédito da foto da capa: Christophe Smets, La Boîte à Images


Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais