O quê, como e porquê da crise alimentar global – CIDSE

O quê, como e porquê da crise alimentar global

Nesta entrevista, discutimos com Valentin Brochard, Diretor de Defesa da Soberania Alimentar da CCFD-Terre Solidaire (membro do CIDSE na França), sobre a atual crise alimentar, seus gatilhos e possíveis soluções. Várias organizações membros do CIDSE também estão envolvidas nesta questão, algumas referências podem ser encontradas abaixo

Estamos ouvindo falar de uma crise alimentar global: o que realmente está acontecendo?
A fome vem aumentando globalmente há 6 anos: podemos falar de uma crise alimentar global e estrutural em que 2.4 bilhões de pessoas, cerca de um terço da população mundial, sofrem de insegurança alimentar. Isso afeta tanto as pessoas no “Norte Global” quanto no “Sul Global”. Na Europa, por exemplo, 10% da população sofre de insegurança alimentar. Existem algumas razões estruturais por trás disso, que têm sua origem em nossos sistemas econômicos, agrícolas e alimentares:

  • estamos vendo um aumento de conflitos no mundo: como é o caso da guerra na Ucrânia, a fome é usada como arma de guerra; por exemplo, os campos são destruídos e as pessoas são proibidas de ir aos mercados. Concretamente, os conflitos criam fome.
  • Extremo eventos climáticos como enchentes e secas estão aumentando e são a primeira causa de perdas agrícolas no mundo.
  • Há uma ascensão desigualdades: 3 bilhões de pessoas não têm acesso a alimentos saudáveis, embora globalmente produzamos o suficiente para alimentar a todos. A fome não é um problema de produção, é um questão de justiça, relacionado ao compartilhamento de recursos e acesso financeiro. Pode parecer absurdo, mas 50% das pessoas atingidas pela fome são pequenos produtores agrícolas. Podemos dizer que o atual sistema alimentar globalizado é um vetor de desigualdades.

Além disso, existem atualmente dois agravantes: o primeiro é a Pandemia de COVID-19, que expôs as fragilidades do nosso sistema alimentar e agrícola: revelou os problemas causados ​​pela interdependência entre os países. O segundo fator é que há um aumento contínuo dos preços dos alimentos, que já havia começado dois anos antes da guerra na Ucrânia; apenas em 2021, os preços internacionais dos alimentos tiveram um aumento de 30%.

Por que a segurança alimentar de alguns países está em risco em nosso atual sistema alimentar global?
Uma razão importante é que os Estados não cumpriram suas soberania alimentar, eles não fizeram disso uma prioridade. Muitos países são hiperespecializados em um tipo específico de produção de alimentos, partindo do princípio de que exportarão para o mercado externo e contam com importações para sua segurança alimentar.

Onde está a crise mais sentida hoje? Como a população local e os camponeses locais estão reagindo a isso?
Devemos especificar que existem duas crises principais relacionadas à alimentação: a crise do trigo e do milho e a crise dos preços dos alimentos, que estão afetando as pessoas de maneiras diferentes.
Em relação à crise do trigo e do milho, no curto prazo os mais afetados são os importadores diretos de trigo e milho da Rússia e Ucrânia (por exemplo, Eritreia), no médio prazo, todos os países que são importadores desses cereais serão afetados em Niveis diferentes. Isso depende da quantidade desses cereais usados ​​na nutrição das pessoas, em particular, qual porcentagem dos alimentos que comem é feita desses cereais.
O aumento dos preços dos alimentos, por outro lado, afetará todos os países! Mas os países mais pobres, com altos níveis de endividamento e sem proteções sociais, sentirão os piores efeitos dessa crise alimentar. Por isso é necessário que os Estados tenham capacidade financeira para enfrentar essa crise. Eles devem ser capazes de alimentar sua população e reinvestir em sua agricultura. Por isso, é também crucial avançar para o cancelamento de dívida desses países. É simplesmente impossível que os países pobres consigam pagar suas dívidas, reinvestir em sua agricultura, enfrentar problemas sociais que surgirão dessa situação e pagar altos preços de alimentos nos mercados internacionais.

Quais são os efeitos da guerra na Ucrânia sobre a crise alimentar?
A guerra na Ucrânia piorará dramaticamente a situação alimentar global. Isso provocará um aumento nos preços dos cereais e nos preços globais dos alimentos. A Rússia e a Ucrânia são grandes exportadores de trigo e milho e outros produtos (Rússia e Ucrânia cobrem 12% de todas as calorias trocadas a nível mundial, 23% da exportação mundial de trigo, 16% da exportação mundial de milho e 73% de óleo de girassol).

Durante a guerra não podem ou não querem exportar tanto quanto antes: no início da guerra, a Rússia bloqueou o Mar Negro que era usado para exportar mercadorias ucranianas. Mais tarde, o próprio governo ucraniano proibiu todas as exportações de alimentos para manter alimentos para sua população, o que era uma medida absolutamente necessária também considerando que o exército russo está destruindo os estoques de alimentos ucranianos.
Do lado russo, as sanções econômicas internacionais reduziram a capacidade de suas exportações e, ao mesmo tempo, o governo russo usa a paralisação das exportações com o objetivo de pressionar os governos, usando a fome como ferramenta convencer alguns Estados a permanecerem neutros e não ficarem do lado da OTAN ou da Ucrânia nesta guerra.
Essa situação também causa muita especulação e alguns países (por exemplo, China e Marrocos) começaram a comprar estoques de alimentos porque sabem que a pior parte da crise alimentar ainda está por vir e querem proteger a segurança alimentar em seu país. Ao mesmo tempo, outros países estão, pelas mesmas razões, interrompendo suas exportações; A Indonésia, por exemplo, parou de exportar óleo de palma e, mais recentemente, a Índia decidiu proibir sua exportação de trigo, pois a segurança alimentar indiana está em risco devido às dramáticas ondas de calor e secas. 

Existe uma ligação com o aumento dos preços da energia?
A subida dos preços da produção alimentar continuará a aumentar a nível mundial, especialmente devido à a crise dos preços da energia. Os preços do gás subiram 72% desde o início da guerra, enquanto os preços do petróleo estão flutuando. Esses preços afetam diretamente os preços dos alimentos porque precisamos de energia para produzir, processar, transportar e consumir alimentos. Os preços dos fertilizantes também estão ligados aos preços da energia, uma vez que são derivados de petróleo ou gás. Além disso, os países afetados por este conflito são grandes exportadores de fertilizantes: 12,6% dos fertilizantes exportados globais vêm da Rússia e 5,2% vêm da Bielorrússia (que segue o comportamento da Rússia em sua política de restrição à exportação).

Qual tem sido a reação internacional à crise alimentar?
No plano internacional, diferentes atores vêm avançando de forma dispersa. A França promoveu sua iniciativa “Farm”, os EUA estão tentando impulsionar uma iniciativa no nível do FMI, o Secretário-Geral da ONU está pressionando por sua própria iniciativa, a FAO tem novamente outra abordagem e assim por diante. Concretamente, não existe uma verdadeira coordenação internacional para responder a esta crise, que é um crise de acesso e de um crise de regulação e coordenação. Embora suas causas sejam diferentes, segue o mesmo caminho das crises alimentares anteriores em 2008-2009 e 2012, e se há algo a aprender com essas crises é que a falta de coordenação internacional amplificou seus efeitos. Se houvesse uma boa coordenação, teríamos evitado especulações e teríamos evitado respostas contraproducentes dos Estados.

O que você acha da retórica “alimentar o mundo”?
Esta é uma abordagem que, francamente, não faz sentido. Historicamente, a Europa tem prejudicado a segurança alimentar dos países pobres em vez de “alimentar o mundo”. Não são as nossas exportações que alimentam o mundo, são as nossas exportações que desestabilizam os mercados e criam uma concorrência prejudicial nos mercados locais. É o caso, por exemplo, quando vendemos leite em pó subsidiado a preços muito competitivos ou quando exportamos nosso trigo por preços muito baixos para o Senegal ou na América Latina, afetando diretamente a produção local de cereais.
Também temos que entender que não se trata de uma crise de produção. É muito fácil dizer: “temos uma crise alimentar, então temos que produzir mais”. Este é na verdade um crise de regulação. Teremos um impacto melhor se, por exemplo, tivermos uma moratória sobre os biocombustíveis, se pararmos a especulação sobre os preços dos alimentos a nível internacional, se coordenarmos de forma transparente as existências a nível internacional.  

O que a sociedade civil pode fazer diante dessas crises?
Organizações como CCFD-Terre Solidaire e CIDSE devem se concentrar em defender a coordenação internacional e Aumentar a conscientização entre os cidadãos sobre as questões reais em torno da crise alimentar e como resolvê-la. No curto prazo, devemos pressionar por um conjunto de regras internacionais para limitar os impactos da crise. No médio prazo, devemos pressionar para iniciar uma mudança de nossos sistemas agrícolas, para torná-los mais sustentáveis ​​e diversificados, para mudar para a soberania alimentar e a agroecologia. Devemos também levantar nossa voz sobre a necessidade de cancelar as dívidas dos países pobres para aumentar suas chances de reagir à crise. Devemos também apoiar as pessoas mais vulneráveis ​​através da ajuda humanitária e dos corredores humanitários.

-fim-

Gostaria de saber mais?
Várias organizações membros do CIDSE estão trabalhando na crise alimentar:

© Valentin Brochard




Valentin Brochard, Diretor de Defesa da Soberania Alimentar
CCFD-Terre Solidaire



Créditos infográficos, CCFD Terre Solidaire
Foto da capa: K. Zolan, Pexels.com

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais