Tarde demais: como duas empresas europeias podem se safar do pior derramamento de óleo na costa do Peru – CIDSE

Tarde demais: como duas empresas europeias podem escapar do pior derramamento de óleo na costa do Peru

…e como um padrão europeu de due diligence poderia ter ajudado a fornecer uma resposta imediata 

Foto da capa: Diego Pérez/SPDA

Nota: O Caso Repsol é apenas um dos muitos exemplos de abuso corporativo em comunidades vulneráveis ​​ou locais. Uma Diretiva sobre due diligence de sustentabilidade corporativa poderia mudar essa situação e capacitar as comunidades a buscar justiça e reparação. Saiba mais sobre esta regra e como influenciar os tomadores de decisões políticas em justice-business.org.


Em janeiro passado, cerca de 12,000 barris de petróleo foram derramados na costa de Ventanilla, no Peru, causando um dos piores desastres ecológicos da história do mar de Lima. O vazamento ocorreu quando o navio italiano Mare Doricum estava descarregando petróleo bruto nas tubulações submarinas da refinaria La Pampilla, operada pela empresa espanhola Repsol.  

As consequências socioambientais do derramamento são irreparáveis: mais de 11,000 mil hectares de área costeira marinha foram afetados. A presença de hidrocarbonetos de petróleo foi encontrada em 66 áreas, das quais 46 são praias e 20 são falésias. Além disso, o derramamento afetou duas áreas protegidas de grande importância. A vida de cerca de 10,000 pessoas, que dependiam diretamente do mar para sua subsistência, mudou drasticamente.  

“Muito petróleo acabou enterrado sob as praias ou no fundo do mar. Portanto, houve toda uma gama de impactos sociais e econômicos. Mas também há a questão de por quanto tempo o impacto afetará os meios de subsistência das comunidades locais, por quanto tempo elas terão que suspender suas atividades”, diz Miguel Lévano Muñoz, da Oxfam Peru, e Coordenador do Grupo de Trabalho de Petróleo da Coordenação Nacional de Direitos Humanos, que também monitora casos de derramamento de óleo nas áreas costeiras e na Amazônia peruana. Nos últimos 25 anos, foram identificados mais de mil derramamentos.  

Alejandro Chirinos, Diretor Executivo da CooperAcción, alerta para um grupo ainda mais vulnerável: “Um caso particular é o impacto na vida das mulheres que dependiam do trabalho na zona costeira marinha, que por sua vez também trabalham em casa. Algumas delas – muitas, aliás – perderam os maridos para o COVID, porque no Peru, como em outros lugares, o vírus teve uma mortalidade maior entre os homens”.  

*O Italiano e Espanhol versões do vídeo também estão disponíveis.

A lenta reação da Repsol para conter o vazamento e a falta de determinação do governo peruano em aplicar sanções e tomar medidas foram duramente criticadas por cidadãos e ativistas de todo o mundo, desencadeando uma onda de protestos no Peru e, em menor escala, na Espanha. O vazamento revelou uma série de irregularidades no plano de contingência da Repsol, requisito básico e fundamental para uma empresa que atua no setor petrolífero, e trouxe ao público as múltiplas multas acumuladas ao longo dos anos pela empresa ao longo dos anos.  

“Casos como este mostram uma violação de suas obrigações pelas empresas responsáveis ​​pela operação e por entidades públicas em termos de verificação, fiscalização e cumprimento”, disse Lévano.  

Como uma empresa com tal reputação pode operar em um país? Além disso, por que, apesar da indignação internacional, o governo peruano demorou tanto para condenar esse desastre ambiental?  

A “responsabilidade compartilhada”  

Enquanto o Peru lidava com os impactos do vazamento, a nova legislação ganhava destaque nas discussões políticas na União Europeia. Em fevereiro, a Comissão Europeia apresentou uma proposta para uma diretiva de Due Diligence de Sustentabilidade Corporativa (CSDD), que introduziria regras para as empresas da UE respeitarem os direitos humanos e o meio ambiente em todas as suas cadeias de valor em todo o mundo. A lei poderia mudar as regras do jogo para casos como o da Repsol, desde que não contivesse brechas gritantes.  

Uma delas é a definição dos impactos ambientais e a lista de tais impactos no projeto de lei, que deixa de fora derramamentos de óleo na água, entre outros tipos recorrentes de danos ambientais. Em outras palavras, ambas as empresas, a espanhola Repsol e a italiana Mare Doricum, poderiam ficar impunes, mesmo que a lei estivesse em vigor.   

“A due diligence não é um privilégio, mas sim uma obrigação que as empresas devem implementar para antecipar os riscos, para que, quando previstos, respondam de forma justa e responsável. Esse derramamento revelou fragilidades em nossa estrutura institucional para determinar a responsabilidade ambiental dos infratores e mostrou sérias deficiências no nível legal para garantir uma resposta imediata e eficiente”, destacou Carol Mora, Diretora de Política e Governança Ambiental da Sociedade Peruana de Direito Ambiental – SPDA.    

O desastre ocorreu em meio à instabilidade política no país, situação recorrente na América Latina. O sistema de justiça ambiental peruano é fraco e inexperiente. O Peru é responsável por garantir que os investimentos sejam realizados respeitando os melhores padrões ambientais, enquanto a União Européia também deve ser responsável por garantir esses padrões.  

“Estamos a falar de uma dupla culpa, tanto da própria empresa Repsol, não ter sequer os mecanismos para poder intervir imediatamente e remediar os danos no mar, e sobretudo da má resposta do Estado numa questão como esta. Além disso, quando se tratou de sancionar a empresa Repsol, o Estado também agiu tardiamente”, disse Henry Cordova, Coordenador Nacional do Movimento Cidadão contra as Mudanças Climáticas, MOCCIC, que conta ainda que “no início, o próprio Estado deu sinais de fraqueza ao pediu aos cidadãos que fossem eles próprios cuidar dos impactos [do derrame] na zona costeira, quando todos sabíamos que esta era uma responsabilidade que a empresa deveria ter assumido diretamente.”  

De acordo com a Diretiva CSDD da Comissão Europeia, o texto atual não garante a inversão do ônus da prova para as vítimas, o que significa que se as comunidades afetadas pelo derramamento optarem por processar as empresas, elas teriam que reunir e produzir as provas que comprovam que o dano foi resultado de uma falha por parte da empresa em tomar medidas suficientes para evitar o derramamento. O acesso às evidências necessárias pode ser difícil para as comunidades que enfrentam uma poderosa corporação multinacional como a Repsol.  

“Como acontece na maioria dos casos de derramamento de óleo, sabendo como as empresas agem diante dos derramamentos, sabemos que o primeiro obstáculo é sempre ter informações precisas. Para além do que a empresa reportou, o que procurávamos era ter informação produzida sobretudo por fontes oficiais, mas também os alertas lançados pelos moradores. Sabíamos que a magnitude do dano era muito maior do que a empresa alegou no início e nos parece essencial fortalecer as informações disponíveis sobre esse assunto”, disse Córdova.  

O futuro dos recursos do planeta  

A Diretiva da CE ainda terá espaço para debate no resto do ano, mas deixará de provocar mudanças transformadoras e significativas se as principais deficiências do texto não forem abordadas.  

“É desconcertante que uma lei que deveria abordar os impactos negativos das empresas nas pessoas e no planeta corra o risco de não se aplicar a um caso tão flagrante, cujos impactos serão sentidos pelas comunidades por anos e podem prejudicar o meio ambiente de forma irreparável” de acordo com Giuseppe Cioffo, diretor de Regulação Corporativa da CIDSE, a coalizão de ONGs católicas internacionais. “A Comissão definiu a lista de impactos ambientais de uma forma que deixará descobertos os principais casos de danos ambientais. De fato, se o texto não for melhorado significativamente, apenas poucos impactos serão contemplados pela legislação e as empresas não terão que verificar e não serão responsabilizadas por grandes danos ao planeta e seus ecossistemas.”  

O projeto de lei está agora nas mãos do Parlamento Europeu e do Conselho da UE, que no próximo mês discutirão o conteúdo da lei e a gama de violações de direitos humanos e danos ambientais que ela cobrirá. As ONGs e a sociedade civil na Europa e no exterior continuam esperançosos de que os colegisladores melhorem substancialmente o texto, mas de acordo com Cioffo “enquanto algumas empresas estão abertas a melhorar suas práticas, os lobbies empresariais estão se opondo furiosamente a esta proposta e quaisquer melhorias no projeto. ”  

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais