A inação das mudanças climáticas é um ultraje moral – CIDSE

A inação das mudanças climáticas é um ultraje moral

Opinião de Sua Eminência Fridolin Besungu Cardeal Ambongo, Arcebispo de Kinshasa e Vice-Presidente do SECAM e Presidente da Comissão de Justiça, Paz e Desenvolvimento (SECAM).

Nota: Este artigo foi publicado originalmente por Euractiv Em novembro 8, 2022.

A mudança climática está se espalhando rapidamente e se intensificando, e algumas tendências são irreversíveis, de acordo com o Contribuição WI do IPCC do Sexto Relatório de Avaliação (AR6). Vozes africanas da igreja e da sociedade civil exigem justiça climática em um dos continentes mais vulneráveis ​​para aumentar os impactos climáticos com o início da COP27 em Sharm El Sheikh (Egito). A Igreja Católica na África espera que a UE lidere o aumento da ambição e da ação climática, garantindo que as negociações internacionais sobre o clima sejam realizadas com o melhor interesse de todos os seres vivos e de nossa Casa Comum no coração. Como o Papa Francisco disse recentemente, a COP27 “representa a próxima oportunidade para todos se unirem na promoção da implementação efetiva do Acordo de Paris”.

Sua Eminência Fridolin Besungu Cardeal Ambongo é Arcebispo de Kinshasa e Vice-Presidente do SECAM e Presidente da Comissão de Justiça, Paz e Desenvolvimento (SECAM).

Embora a Europa recentemente também tenha experimentado as consequências das mudanças climáticas, como secas e inundações repentinas, a crise climática tem sido uma realidade vivida para as pessoas em toda a África por muito tempo. As recentes ondas de calor do verão no norte do continente causaram enormes perdas e danos sociais e econômicos, quebrando recordes de temperatura e perturbando severamente os sistemas agroalimentares em uma região já faminta. Tempestades e ciclones no início do ano causaram devastação na África Austral e em Madagáscar, resultando na destruição de casas e na perda de vidas. A África Oriental está enfrentando a pior crise alimentar em uma geração, precipitada por uma seca extrema. Na África Ocidental, as cidades estão inundadas, as comunidades nos riachos estão submersas, os conflitos que fervilham há anos estão agora se intensificando devido ao deslocamento induzido pelo clima. As alterações climáticas impedem o desenvolvimento de África, num contexto já difícil devido a um sistema económico global injusto.

Igualmente importante, a Bacia do Congo, conhecida como “pulmão da África”, está absorvendo mais carbono do que a Amazônia. 1.5% das emissões mundiais de carbono são absorvidas apenas pela República do Congo. Seis países compartilham sua floresta tropical, proporcionando segurança alimentar e meios de subsistência essenciais para populações indígenas e locais e sustentando espécies ameaçadas de extinção. O futuro da África, assim como o do mundo, depende da preservação das florestas da Bacia do Congo. As florestas da Bacia do Congo devem ser preservadas para o futuro não apenas da África, mas do mundo em geral. Para combater as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade, devemos preservar esse rico e exuberante ecossistema, cada vez mais ameaçado pelo desmatamento, degradação ambiental e agravamento dos impactos das mudanças climáticas. 

Nestes dias, os líderes mundiais estão indo para a África para participar da 27ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas – também conhecida como COP27. Todo o povo de Deus, onde quer que esteja no mundo, certamente deve concordar que esta conferência deve ser realizada para a África. Não há dúvida de que a UE e, de modo mais geral, o Norte Global têm uma grande responsabilidade a esse respeito, como um dos principais contribuintes para a crise climática e devem contribuir com sua parte justa para enfrentá-la. Os Estados-Membros progressistas da UE devem aproveitar este momento para intensificar a sua ação climática e o apoio aos países vulneráveis, promovendo o nível mais elevado de ambição para a UE até 2030. danos e apoiar os países do Sul Global a alcançar níveis justos de desenvolvimento dentro dos limites planetários. Sabemos que as soluções mais promissoras refletirão princípios fundamentais da Doutrina Social católica, como o bem comum, a justiça social entre as gerações, o cuidado da casa comum e a opção preferencial pelos pobres. As soluções para esta crise não devem continuar a abordagem de negócios como de costume que é responsável por criar o problema em primeiro lugar e só enriquecerá nações e indivíduos ricos às custas dos pobres do mundo.

E, no entanto, diante dessas certezas, ainda pode ser desafiador entender os caminhos precisos para mudar. Na última Encíclica, Fratelli Tutti, o Papa Francisco propôs o diálogo e o encontro como meio de construir um mundo mais justo (n° 199,203). Esta foi a inspiração para o Diálogos sobre o clima na África – uma série de conversas organizadas por atores da Igreja Católica e sociedade civil na África para discutir, aprender uns com os outros e identificar as principais prioridades políticas antes da COP27 no Egito. Esses diálogos incluíram representantes da comunidade e da sociedade civil com experiências vividas em mudanças climáticas, pesquisadores e defensores profissionais com experiência em políticas, funcionários de todos os níveis de governo e líderes da Igreja Católica que poderiam enquadrar as questões éticas urgentes levantadas pelas mudanças climáticas em termos de a ação de Deus e as exigências da justiça.

No dia 17 de outubro, tive o orgulho de lançar um Comunicado do processo Diálogos Climáticos Africanos, ao lado de líderes de movimentos juvenis, ONGs e governos que representam a África na COP27. Este documento serve como um roteiro para ação na COP27 sobre os principais tópicos de soluções apropriadas, financiamento climático, migração e deslocamento, sistemas alimentares e perdas e danos. Ele estabelece demandas para a conferência, informadas por praticantes, comunidades e especialistas à luz da reflexão teológica sobre as escrituras sagradas. Viajarei a Sharm El Sheikh para trazer esses clamores por ação à mesa de negociações e mostrar que a Igreja na África está defendendo as comunidades que já sofrem com as mudanças climáticas em meu continente.

A mudança climática é um ultraje moral. É um exemplo trágico e marcante de pecado estrutural (São João Paulo II, Sollicitudo rei socialis, n° 36), facilitado pela indiferença insensível e pela ganância egoísta. A crise climática está levando à destruição do nosso planeta, à devastação das vidas dos pobres e ao prejuízo das gerações futuras. Nós, líderes da Igreja e organizações da sociedade civil na África e além, exigimos dos tomadores de decisão da UE, líderes mundiais e líderes empresariais que prestem atenção a este importante comunicado, ao fazê-lo, prestem atenção ao clamor dos pobres e ao clamor da terra.

Conferência de imprensa: 'lançamento do Comunicado sobre os Diálogos Climáticos da África'.

Mais informações sobre os Diálogos Climáticos Africanos e uma cópia do comunicado podem ser acessados SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Leitura adicional: Não há justiça climática sem justiça da terra, comunicado da Comissão de Justiça, Paz e Desenvolvimento do SECAM (FR).


Crédito da foto: Oxfam África Oriental.

Conteúdo patrocinado financiado pela União Europeia. O seu conteúdo não reflete necessariamente a posição ou opinião da União Europeia.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais