O engajamento da CIDSE na resistência ao poder corporativo – CIDSE

O engajamento da CIDSE na resistência ao poder corporativo 

Encerramento da campanha de Acesso à Justiça

Há cerca de um ano, o CIDSE lançou o “Campanha de Acesso à Justiça”. Na época, a questão que o CIDSE e seus membros estavam tentando abordar dizia respeito ao componente de acesso à justiça da então futura Diretiva da União Européia sobre devida diligência e responsabilidade corporativa.  

A discussão dentro da rede CIDSE, inclusive com Membros e parceiros, girou em torno da necessidade de garantir que a Diretiva inclua disposições fortes garantindo que aqueles que sofrem abuso de seus direitos humanos ou meio ambiente causados ​​por atividades corporativas envolvendo empresas ou operando na UE possam encontrar remédio e justiça. Ficou claro para nós, na época, que muitas empresas aceitaram a ideia de que devem agir para evitar impactos negativos nas pessoas e no planeta. No entanto, muitos deles ainda recusam a necessidade de reconhecer suas responsabilidades quando chega a hora de oferecer justiça e reparação às vítimas.  

Através de um vídeo animado, queríamos deixar claro que as leis são necessárias com urgência para proteger nossa família humana e nosso lar comum do impacto das corporações. Como o diabo está nos detalhes, e uma lei forte dependerá de como questões específicas são abordadas, produzimos uma ilustração multilíngue ilustrada glossário  de acesso à justiça no contexto do abuso corporativo. Armados com essas ferramentas, os voluntários de nossos membros foram equipados com as informações necessárias para usar cartas-modelo padrão, também criadas como parte da campanha, para enviar e-mails a seus representantes no Parlamento Europeu e pedir uma lei forte. 

Desde então, nosso pedido por essa lei se materializou na proposta de Due Diligence de Sustentabilidade Corporativa da Comissão Europeia. A análise do CIDSE provou ser correta: entre as muitas deficiências da lei, o acesso à justiça para as vítimas era a parte mais fraca da proposta. Mas a mensagem no Parlamento foi ouvida, e o projeto de relatório do principal comitê parlamentar que trabalha na proposta contém muitos dos pedidos da campanha. 

Ao nos aproximarmos do final do ano, estamos encerrando oficialmente nossa campanha de Acesso à Justiça. No entanto, nosso trabalho não acabou. Precisamos garantir que, nos próximos meses, provisões sólidas e centradas nas pessoas garantam justiça e reparação para os afetados. Por esta razão, unimos forças com mais de uma centena de organizações da sociedade civil e sindicatos europeus no Justiça é assunto de todos campanha. Juntamente com nossos membros e aliados, continuaremos lutando para que as vozes das comunidades que resistem ao poder corporativo sejam ouvidas e por uma lei que atenda às suas expectativas.  

Junte-se a nós em justice-business.org

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais