Comunicado à imprensa: Líderes religiosos apresentam declaração poderosa na COP28 – CIDSE

Comunicado de imprensa: Líderes religiosos apresentam declaração poderosa na COP28

A luta contra perdas e danos continua! Líderes religiosos apresentam declaração poderosa na COP28 sobre o Caso Moral para Ação sobre perdas e danos

Dubai, 2 de dezembro de 2023.- Hoje, os líderes religiosos seniores desenvolveram um poderoso apelo à acção na conferência climática COP28 da ONU) no Dubai para um impulso contínuo sobre Perdas e Danos, após a operacionalização do Fundo de Perdas e Danos no primeiro dia da conferência, no início desta semana.

Entregando a declaração intitulada 'Perdas e Danos: O Caso Moral para Ação' no Pavilhão da Fé na COP28, os signatários enfatizaram que o progresso alcançado pode ser uma falsa vitória sem outras ações concretas. 

A declaração foi assinada por mais de 600 líderes religiosos de todo o mundo, de todos os continentes, incluindo Bispos, Arcebispos, Cardeais, Padres, Irmãos, Diáconos, CEOs de organizações religiosas, Professores, Estudantes, Cardeais e quase 200 Irmãs. Estabeleceu uma série de critérios a serem cumpridos pelo Fundo de Perdas e Danos, muitos dos quais os líderes religiosos disseram ainda serem pendentes e exigirem mais atenção antes do final da COP28.

Alistair Dutton, Secretário Geral da Caritas Internationalis, disse: “Chegar a acordo sobre o Fundo para Perdas e Danos tão cedo na COP28 é uma conquista notável. Mas não podemos descansar sobre os louros. O fundo deve ser capitalizado rapidamente com milhares de milhões para satisfazer a escala da necessidade. Isto deve ser financiamento novo e adicional, e não roubar Pedro para pagar Paulo. Somente com um aumento do financiamento o Fundo para Perdas e Danos poderá realmente cumprir o seu propósito e proporcionar soluções para a injustiça”.

Josianne Gauthier, Secretária Geral da CIDSE, disse: “Perdas e danos são, em última análise, uma questão moral. Trata-se de abordar a profunda injustiça que está no cerne da crise climática, onde aqueles que menos contribuíram sofrem mais. A responsabilidade pelo financiamento de Perdas e Danos deve caber aos países com responsabilidade histórica. A COP28 deve deixar isso absolutamente claro.”

O Cardeal Fridolin Ambongo Besungu, Presidente do SECAM e Arcebispo de Kinshasa, disse: “O Papa Francisco nos convida a ouvir o grito da terra junto ao grito dos pobres. A COP28 deve fazer as duas coisas. Ao criar um Fundo para Perdas e Danos eficaz, estamos a responder às necessidades dos pobres, que já sofrem os impactos climáticos. Mas temos também de ouvir o grito da terra, tomando medidas para avançar rapidamente no caminho para alcançar as metas do Acordo de Paris. Cada grau de aquecimento global significa mais perdas e danos.”

Irmã Susan Nchubiri, representante das Irmãs Maryknoll na COP28, disse: “É fundamental lembrar que Perdas e Danos não são apenas econômicos. Podemos calcular o custo dos danos causados ​​às casas ou às infra-estruturas, mas nunca podemos atribuir custos à perda de culturas, património, terras ou à perda de entes queridos. O novo conselho do Fundo de Perdas e Danos deve garantir que as Perdas e Danos Não Económicos sejam uma grande prioridade transversal e que as comunidades possam aceder a soluções que possam contribuir para a recuperação de perdas e danos inestimáveis”.

BACKGROUND

O Declaração dos líderes religiosos sobre perdas e danos foi produzido após um diálogo online em junho de 2023 entre especialistas e pessoas com experiência de perdas e danos do governo, de organizações religiosas e da sociedade civil. Este diálogo, que compreende uma mistura de contribuições técnicas e recomendações com reflexão teológica e moral, produziu um rico conjunto de pensamentos sobre este tema. A declaração foi distribuída internacionalmente e endossada por líderes religiosos em todo o mundo e apresentada num evento Conferência de imprensa online em 23 de novembro. 

Até 17 de novembro, foi assinado por 639 pessoas em todo o mundo, em 58 países, representando todos os continentes. Os signatários incluem numerosos Bispos, Arcebispos, Padres, Irmãos, Diáconos, CEOs, Professores, Estudantes, Cardeais e quase 200 Irmãs. 84% dos que assinaram a declaração são líderes religiosos do Norte Global. 

A COP28 tem a tarefa de chegar a acordo sobre a criação do Fundo de Perdas e Danos. A declaração estabelece cinco elementos-chave que este fundo deve aderir para alcançar a justiça climática e garantir que o apoio chegue às pessoas que sofrem os impactos climáticos o mais rapidamente possível:

  • O fundo deve ser acessível, garantindo que as comunidades necessitadas em todo o Sul Global obtenham o dinheiro de que necessitam para se recuperarem e sejam donas do seu próprio futuro
  • O fundo deve ser compreensivo, apoiando respostas a perdas e danos económicos e não económicos, para fenómenos meteorológicos extremos e eventos de início lento, como a subida do nível do mar e a desertificação
  • O fundo deve ser restaurador, concedendo subvenções e não empréstimos com base no princípio do poluidor-pagador
  • O fundo deve ser representante, sustentada pelos direitos humanos e pelo princípio da subsidiariedade, e governada por um conselho equitativo que atua no bem comum
  • O fundo deve ser eficiente e eficaz, proporcionando uma resposta rápida em caso de catástrofes, apoio a longo prazo para proteger contra danos futuros e agindo como o principal fundo global para fazer face a perdas e danos, juntamente com outros acordos de financiamento.

Existem riscos de que a COP28 não chegue a acordo sobre um fundo que cumpra estes princípios fundamentais e que o fundo acordado não seja adequado à sua finalidade. Isto não deve acontecer. A disponibilização de um Fundo para Perdas e Danos totalmente funcional, que responda às necessidades das comunidades e proporcione justiça climática, é uma prioridade moral.

Contato com a mídia no local: 

contreras (at) cidse.org

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais