Solidariedade com o Povo Maasai da Tanzânia – CIDSE

Solidariedade com o povo Maasai da Tanzânia

No Dia do Património Mundial, o membro norte-americano da CIDSE, o Maryknoll Office for Global Concerns, divulgou a seguinte declaração, como membro da Aliança Internacional de Solidariedade Maasai*, em apoio aos direitos humanos dos Maasai no norte da Tanzânia.


18 de abril de 2024

Neste dia, conhecido como Dia do Património Mundial, damos graças a Deus, o nosso Criador, pela diversidade do património cultural na nossa comunidade global. Como missionários comprometidos em viver os ensinamentos do Evangelho de Jesus Cristo com compaixão e justiça para todos, reconhecemos que todas as pessoas são feitas à imagem de Deus. Renovamos o nosso compromisso de promover o respeito mútuo entre expressões culturais, reconhecendo a diversidade no património cultural como uma fonte de beleza e força nos muitos fios que compõem a tapeçaria unificada da criação. 

Como parte do nosso compromisso de construir um mundo acolhedor e pacífico, sentimo-nos obrigados a aumentar a consciencialização sobre as violações dos direitos humanos actualmente sofridas pelo povo indígena Maasai na Área de Conservação de Ngorongoro (NCA), no norte da Tanzânia. A UNESCO designou a NCA como Património Mundial em 1979 como uma área de uso múltiplo do solo, com vida selvagem coexistindo com pastores Maasai semi-nómadas. Os membros da comunidade Maasai dizem-nos que, sob o pretexto de promover esforços de conservação, o governo da Tanzânia favorece uma política de “conservação da natureza” que dá prioridade ao cuidado da vida selvagem para obter receitas do turismo, em vez de uma “conservação integrada” que apoia a antiga ecologia. -relação entre os pastores, os seus rebanhos e a vida selvagem. Como resultado, milhares de pastores Maasai na Área de Conservação de Ngorongoro correm o risco de despejo forçado das suas terras ancestrais. Os Maasai relataram detenções arbitrárias, espancamentos e confisco ilegal do seu gado, juntamente com uma presença militar crescente. O governo da Tanzânia também cortou os serviços de saúde e educação na NCA, incluindo a suspensão do transporte aéreo de ambulâncias conhecido como Flying Medical Services, deixando muitos Maasai sem outra alternativa senão reinstalar-se noutro local. 

Os Maasai moldaram e cuidaram da Área de Conservação de Ngorongoro durante gerações. É o seu lar legítimo; o modo de vida pastoral é a identidade e o sustento dos Maasai. Sabendo que os representantes Maasai têm, durante anos, apresentado relatórios de despejos, violações dos direitos humanos e assédio a vários órgãos da ONU, incluindo a UNESCO, e apelado a investigações e protecção, sem sucesso, solidarizamo-nos com o povo Maasai ao solicitar que A UNESCO retirou a Área de Conservação de Ngorongoro da lista devido a violações dos direitos humanos contra os povos indígenas que ocorrem sem redução.
 


*O A Aliança Internacional de Solidariedade Maasai (MISA) é uma aliança internacional solidária com os Maasai da Área de Conservação de Ngorongoro e Loliondo no norte da Tanzânia. Reúne organizações religiosas, grupos de direitos humanos, organizações internacionais de ajuda e desenvolvimento, bem como investigadores. A aliança inclui a Africa Europe Faith Justice Network (AEFJN), Associação Agrecol para a Agricultura e Ecologia, Coligação de Lobbies Europeus para a Pastoralidade da África Oriental (CELEP), CIDSE, Rede de Informação e Acção Food First (FIAN), KOO, Misereor e Welthaus Graz.

Para mais informações sobre as atividades do MISA, leia o boletim informativo, disponível no Maryknoll Office for Global Concerns site do Network Development Group.

Pessoa de contato do Maryknoll Office for Global Concerns: Susan Gunn, Diretora (sgunn(at)maryknollogc.org)

Crédito da foto da capa: Magdalena Kula Manchee / Unsplash

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais