This translation has been provided by an automatic online service. Errors in translation are possible. To verify the translation, please contact us.

Declaração sobre o assassinato de Dilma Ferreira Silva, líder do Movimento dos Povos Afetados pelo Brasil (MAB) - CIDSE

Declaração sobre o assassinato de Dilma Ferreira Silva, líder do Movimento dos Povos Afetados pelo Brasil (MAB)

Em face do crime brutal cometido em 6 de março contra um coordenador do Movimento dos Povos Afetados no Brasil, as organizações abaixo assinadas de direitos humanos e meio ambiente pedem às autoridades brasileiras e às organizações multilaterais que assegurem que as obrigações do país com relação à proteção dos direitos humanos direitos e defensores ambientais são cumpridos.

Com profunda tristeza e indignação, recebemos a notícia de que Dilma Ferreira Silva, coordenadora regional do Movimento dos Povos Afetados pelas Barragens do Brasil (MAB), juntamente com seu marido Claudionor Costa da Silva e Hilton Lopes, um amigo da família, foram assassinados na sexta-feira, março 22nd no estado amazônico do Pará. Os corpos das três vítimas foram encontrados em sua residência com sinais de tortura.

Dilma Ferreira Silva foi uma ativista de destaque e reconhecida líder que, por mais de três décadas, lutou pelos direitos das pessoas afetadas pelo projeto da hidrelétrica de Tucuruí, no rio Tocantins, na Amazônia brasileira, construído durante a ditadura militar do país 1964 -1985), provocando o deslocamento de um número estimado de pessoas 32,000, juntamente com sérios danos ambientais. Este não é o primeiro caso de assassinato brutal perpetrado contra um defensor de direitos humanos na região da barragem de Tucurui. Em abril de 2009, Raimundo Nonato do Carmo, um líder sindical que lutou em nome daqueles cujas vidas foram arruinadas pela barragem de Tucuruí foi baleado sete vezes por dois homens em uma motocicleta quando ele saía de um supermercado na rua em que morava na cidade de Tucuruí.

Dilma dedicou sua vida a promover políticas nacionais que efetivamente levassem em conta os direitos dos povos afetados por barragens, com a devida atenção às questões de gênero que afetam particularmente os direitos das mulheres.

Dilma Ferreira viveu no assentamento rural de Salvador Allende, onde os títulos de terras foram emitidos para agricultores familiares pelo governo federal no 2012, como resultado de uma mobilização popular do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), com apoio do MAB. No entanto, a área continuou sendo cobiçada por grileiros que invadem e tomam o controle de terras públicas e comunitárias. Um exemplo é Fernando Ferreira Rosa Filho (também conhecido como 'Fernandinho') preso pela polícia civil do estado do Pará como o principal suspeito do triplo homicídio de Dilma Ferreira, Claudionor Costa da Silva e Hilton Lopes.

O assassinato de Dilma Ferreira Silva é uma evidência da grave situação enfrentada pelos defensores dos direitos humanos e dos defensores do meio ambiente no Brasil, país que lidera o ranking global de violência praticada contra defensores, com uma pessoa assassinada a cada seis dias no 2017.

A administração do presidente Jair Bolsonaro intensificou as recentes tentativas de minar a legislação progressiva do Brasil sobre proteção ambiental e direitos humanos - especialmente as de povos indígenas, quilombolas (descendentes de escravos africanos), agricultores familiares e outras populações tradicionais. Tais tentativas freqüentemente se chocaram com a progressiva Constituição Federal do Brasil, aprovada na 1988 durante um período de redemocratização que se seguiu ao regime militar. A recusa em políticas públicas, juntamente com declarações públicas que incitam a violência em áreas conflitantes, estão aumentando seriamente os riscos enfrentados por defensores de direitos humanos e defensores do meio ambiente, como Dilma Ferreira Silva.

As organizações de direitos humanos e ambientais abaixo-assinadas expressam nossa solidariedade à família de Dilma e ao Movimento dos Povos Afetados por Barragens (MAB). Sem dúvida, seu assassinato é uma enorme perda para a defesa do meio ambiente e dos direitos humanos na Amazônia.

Apoiamos o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, exigindo uma investigação completa, independente e imparcial do assassinato de Dilma Ferreira Silva, bem como a punição exemplar daqueles que executaram e ordenaram esse crime horrendo.

Além disso, pedimos às autoridades brasileiras que garantam que a legislação nacional do país e as obrigações internacionais relacionadas à proteção dos direitos humanos e dos defensores do meio ambiente sejam totalmente implementadas, incluindo ações preventivas para evitar novos atos de violência.

Assinado,
1. 350.org
2. Fórum Aborigen
3. AMAR - Associação de Defesa do Meio Ambiente de Araucária
4. Amazon Watch
5. APREC Ecossistemas Costeiros
6. Arctic Consult
7. Articulação Antinuclear Brasileira
8. Associação Interamericana para a Defesa do Ambiente - AIDA
9. Associação Mineira de Defesa do Ambiente - Amda
10. Associação alternativa verde Geórgia
11. Associação de Jornalistas-Ambientalistas da União Russa de Jornalistas
12. Rede de Mulheres Indígenas da BAI nas Filipinas
13. Centro de Informações Bancárias (BIC) EUA
14. Centro de Conservação da Biodiversidade
15. Ambos os finais
16. Projeto Bretton Woods
17. Associação Regional de Buryat para Baikal
18. Centro de Negócios e Direitos Humanos
19. Centro de Direito Ambiental Internacional - CIEL
20. CIDSE - Família internacional de organizações católicas de justiça social
21. Coligação para os Direitos Humanos no Desenvolvimento 22. Colegiado Mar RBMA / Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Grupo Conexão Abrolhos -Trindade
23. Coletivo de Mulheres do Xingu
24. Coletivo de Mulheres Negras de Altamira
25. Comissão Ecumênica de Derechos Humanos
26. Comitê Ambiental em Defesa da Vida
27. Conectas Direitos Humanos
28. Conselho Regional de Organizações Não Governamentais de Desenvolvimento na RDC
29. Conselho Indigenista Missionário - CIMI
30. Corporação SOS Ambiental
31. Crescente Fértil
32. Derecho Ambiente e Recursos Naturais - DAR
33. Derechos Humanos e Meio Ambiente - DHUMA
34. Derechos Humanos e Meio Ambiente de Puno - Peru
35. DKA Austria
36. ECOA - Ecologia e Ação
37. Centro Ecológico DRONT
38. ONG de Informação Ecolur
39. Agência de Investigação Ambiental
40. Fastenopfer Suíça
41. Focsiv - Federação de ONG cristãs italianas
42. Fórum em Defesa de Altamira
43. Fundação Sami Heritage e Desenvolvimento
44. Frente por uma Nova Política Energética para o Brasil
45. Defensores da linha de frente
46. Fundação Avina
47. Fundação Grupo ESQUEL
48. Futuro para todos
49. Testemunha Global
50. Dubna verde 51. Greenpeace Brasil
52. Em Difesa Di - para Diritti Umani e chi li difende
53. Movimento dos Povos Indígenas para Autodeterminação e Libertação (IPMSDL)
54. Instituto Igarapé
55. Instituto Terramar
56. Institutos Ethos
57. Fundo Indígena Internacional para o Desenvolvimento e Solidariedade “Batani” dos EUA
58. Secretaria da Coalizão Internacional da Terra
59. Rios internacionais
60. Katribu Kalipunan of Katutubong Mamamayan of Pilipinas (aliança nacional Katribu de povos indígenas nas Filipinas)
61. Universidade Federal de Kazan
62. Grupo de Trabalho para a América Latina
63. Rede de mineração de Londres
64. Lumiere Synergie for the Developpement
65. MAB - Movimento dos Atingidos por Barragens
66. Escritório Maryknoll para preocupações globais
67. MISEREOR
68. Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM)
69. Movimento Negro
70. Movimento Paulo Jackson - Ética, Justiça, Cidadania
71. Movimento Tapajós Vivo
72. Movimento Xingu Vivo para Sempre
73. Movimentação de Afectados por Representações da América Latina - MAR
74. O Movimento Nacional das Cidadãs Posithivas (MNCP)
75. ONG Guajiru
76. Relógio Oyu Tolgoi
77. Pax Christi - Comissão Solidária Um Mundo Alemanha
78. Pax Christi Internacional
79. Pax Christi Toronto
80. Projeto Saúde e Alegria
81. Proteção Internacional
82. Centro de Direito de Interesse Público (PILC / CHAD)
83. Red de Comités Ambientais del Tolima
84. Vermelho de Gênero e Meio Ambiente do México
85. REDE GTA
86. Direitos de Recursos África da Uganda
87. Rios sem Fronteiras - Mongólia
88. Coligação Internacional Rios sem Fronteiras
89. SAPÊ - Sociedade Agrense de Proteção Ecológica
90. SCIAF - Fundo de Assistência Internacional Católica Escocesa
91. Serpaj Chile
92. Organização Ambiental da Sibéria
93. União Socioecológica Internacional
94. Organização do Tartaristão da Sociedade Russa para a Conservação da Natureza
95. Terra 1530
96. A Organização Católica Canadense para o Desenvolvimento e a Paz / Caritas
97. O Movimento de Voluntários Salve Utrish
98. Sociedade Internacional para os Povos Ameaçados STPI - Gesellschaft für bedhte Völker-International, GfbV-International
99. Toxisphera - Associação de Saúde Ambiental
100. Tutela Legal Maria Julia Hernández
101. Uma Gota no Oceano
102. Uniafro Brasil
103. Escritório de Washington na América Latina - Wola
104. Aliança Africana WoMin
105. Fundo Mundial para a Natureza - WWF / Brasil

Declaração Pública EN Dilma Ferreira
ES-Declaração Dilma Ferreira
PT-Pronúncia Dilma Ferreira