Siga a luz das pessoas e continue caminhando para mudar - CIDSE
© Madalena Meneses

Siga a luz das pessoas e continue caminhando para mudar

© Madalena Meneses

O compromisso real de combater as mudanças climáticas exige uma jornada interna e a compreensão do que cada um de nós pode fazer com nosso modo de ser único. Compartilhar experiências de ativismo com outras pessoas pode ajudar a desbloquear esse processo e conectar os pontos entre o compromisso pessoal e suas repercussões sistêmicas. Madalena Meneses neste blog compartilha sua experiência na ágora internacional de voluntários, organizada pela Campanha “Mudança para o Planeta - Cuidado com o Povo”, à margem da conferência sobre mudanças climáticas COP 24.

Estar em Katowice foi um desafio: mergulhar nas negociações, seguir o incrível programa AGORA e deixar tudo e especialmente todos tomarem lugar no meu coração. Sejamos claros: foi ótimo! Talvez tenha sido por isso que sofri um longo jet lag - um conceito que meu amigo Odile teve a gentileza de me explicar: o desconforto sentido quando a alma ainda não chegou, seja por uma jornada física (de transporte) ou por uma intensa jornada interior . Verifica!

1

CIDSE orquestrando alguns detalhes do programa AGORA - © Madalena Meneses

Antes do COP24, eu tinha certeza absoluta de que queria ser um fotógrafo analógico. Mas fiquei tão impressionado que tive medo de que a fotografia não fosse suficiente ... A mudança é tão urgente que fiquei com dúvidas, com vergonha de passar tanta água no laboratório de fotografia e me sentindo muito culpada por continuar viajando de avião. Mas então as pessoas me iluminaram, aqueles que estão na conversão ecológica por um tempo ... eles sabem que é um processo. E de repente eu consegui respirar novamente, porque os únicos dois requisitos para mudar são querer mudar e ser sincero. Conhecer tantas pessoas cujas vidas já estão sendo prejudicadas e / ou cujas vidas já são um exemplo claro de mudança não só abriu minha mente, mas também rasgou meu coração, porque essas pessoas que mais lutam pela justiça climática são as mais resistentes e tolerantes. uns: e eles não julgam você, libertam você.

2

Reunindo todos os grupos antes da marcha - © Madalena Meneses

Foi incrível conhecer todos: pessoas de todo o mundo, de origens, idades, experiências e circunstâncias completamente diferentes, mas que sentem e vivem como eu. Deixe-me dizer que não sou especial, todos somos: perceber que todos somos profundamente humanos e, portanto, eternamente ligados é tão poderoso! Como se não bastasse viver sob o mesmo céu e compartilhar o mesmo planeta ... Isso nos dá um poder indescritível e cria excelentes oportunidades - como um homem de cabelos rosados ​​e um padre caminhando lado a lado como vimos na marcha (8.12).

De volta ao laboratório, ainda estou tentando descobrir qual é a minha maior missão. Estou absolutamente apaixonada pelo processo analógico: tirar uma foto é deixar a luz escrever no filme e imprimir uma imagem para que as sombras revelem a luz. Isso realmente me ajuda a entender minha humanidade também. A verdade é que ainda estou desenvolvendo as fotos que tirei, quero dizer, ainda estou tentando tomar consciência de tudo o que preciso saber, entender e aprender com essa experiência incrível.

3

© Madalena Meneses

Primeira filmagem do filme. Teoricamente, isso não é bom, mas para mim é incrível. Não apenas podemos ver Giorgio, o incrível ninja do CIDSE - que sempre cuida de tudo sem que você perceba, mas também pode realmente dizer que a luz está no comando.

Ricardo Reis disse uma vez: «Para ser grande, sê inteiro: nada / Você exagera ou exclui. / Sê todo em cada coisa. Põe quanto és / No mínimo que fazes. - Não ousarei traduzir o heterônimo de Fernando Pessoa, mas queria muito compartilhar esse belo e poderoso poema que destaca o respeito que devemos ter por nós mesmos.

4

Nosso guia no Museu da Silésia, em Katowice- © Madalena Meneses

É isso que mais quero agradecer: o enorme impulso de motivação que recebi no AGORA e a luz das pessoas. É isso que me faz andar pela mudança, mesmo que eu tenha um longo caminho pela frente: como ativista, como fotógrafo e principalmente como ser humano. Uma amiga minha (realmente inspirada) me disse uma vez que uma artista de verdade não cria, ela apenas abraça o canal que é. E esse é o meu maior compromisso no momento.

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais