Conversa sobre clima com Maryuri Mosquera, defensora do rio Atrato, na Colômbia - CIDSE

Conversa climática com Maryuri Mosquera, defensora do rio Atrato, na Colômbia

De 31 de outubro a 12 de novembro, a 26ª Conferência das Partes sobre Mudança Climática da ONU (COP26) aconteceu em Glasgow. Muitas delegações do Sul Global encontraram obstáculos para participar deste importante evento devido à iniquidade de acesso à vacina para COVID-19 e às restrições que ainda permanecem em seu país. Nesse contexto, a CIDSE compartilha experiências de nossos parceiros do Sul Global, pois consideramos que suas vozes estão entre as mais importantes.  Nossa organização membro CAFOD apoiou a participação na COP26 de alguns representantes dos guardiões do Rio Atrato.

Entrevista com Carmen Contreras, Diretora de Comunicação da CIDSE.

Maryuri Mosquera Palacios me mostra a fotografia de um pôr do sol com as cores mais incríveis, refletido nas águas do rio Atrato, na Colômbia. “Adoro tirar fotos do rio quando visito minhas comunidades vizinhas”, ela me disse com entusiasmo durante nossa entrevista, em uma tarde chuvosa em Glasgow, onde estava ocorrendo a COP26. 

 “O rio sempre representou uma parte importante de todas as comunidades que ali vivem assentadas. É uma fonte de transporte, de produção, de alimentação, de troca de conhecimento e de inter-relação com as pessoas ”, acrescenta Maryuri, que integra a equipe de Guardiães do Rio Atrato em representação de sua comunidade Cocomopoca. O Guardiões do Rio Atrato nasceu depois que o governo colombiano reconheceu o rio como um sujeito de direito à proteção, conservação, manutenção e restauração. 

A sentença, alcançada em 2016, é resultado de anos de trabalho e ações judiciais das comunidades negras e indígenas que vivem nas margens do rio, que observaram a deterioração ambiental da bacia devido à intensa e ilegal exploração da mineração e da floresta. Recursos. Com este resultado, o tribunal afirmou que o Atrato era o berço de uma riqueza natural inestimável para o país e para o mundo, e reconheceu o importante papel das comunidades étnicas no cuidado e preservação do território. 

Mas, embora ainda seja importante, o veredicto do tribunal é apenas o começo do trabalho árduo de defensores do meio ambiente como Maryuri. Além de representar sua comunidade, Maryuri trabalha capacitando jovens e adultos por meio de materiais pedagógicos e treinamento jurídico. “As coisas estão muito, muito lentas, mas o trabalho é significativo porque a frase é nova. Como eu ia dizendo, já é um grande desafio ”, afirma. 

“O principal objetivo de vir à COP26 junto com meus colegas é levar a frase ao mundo. Vemos a COP como uma plataforma para conseguir aliados que nos ajudem no processo de implementação do veredicto. A equipe de responsáveis ​​trabalha com recursos de cooperação, pois não temos recursos próprios para realizar ações no território. Mas a COP também foi importante para nós a fim de entender como são tomadas as decisões ambientais, o que os governos e principalmente o governo colombiano estão se comprometendo diante dos desafios ambientais e também diante das ameaças e violações que os defensores ambientais têm ”, afirmou. aponta. 

De acordo com uma relatório publicado Em setembro passado, pela Global Witness, a América Latina é a região mais perigosa para os defensores ambientais: em 2020, foram registrados 227 casos de violência. Além disso, o relatório aponta a Colômbia como o país mais perigoso para os defensores do meio ambiente, com 65 assassinatos. 

Apesar do enorme desafio, Maryuri continua esperançosa pensando em sua comunidade e no rio, e talvez as fotos que ela guarda em seu celular façam parte de sua motivação diária: “Eu penso muito no resto das comunidades e no resto de as pessoas que estão lá, nas comunidades mais remotas, e que têm grande esperança no que podemos fazer por meio de nossa defesa de direitos. Por isso, antes de morrer ou ficar entediado, ou cansado do que estamos fazendo, sempre penso neles. Acho que eles têm muita esperança, é impossível trair a confiança que a comunidade depositou em nós ”. 

BÔNUS 

Livros para se aproximar das comunidades do rio Atrato 

Não está disponível em outro idioma, mas após o veredicto, construímos diversos materiais educativos e sinto que é importante conhecer a experiência das comunidades e a forma como nos relacionamos com a natureza. Existe um livro que foi um dos primeiros que construímos. Tem questões jurídicas explicitadas, mas também reflexos das comunidades, se chama Majestoso Rio Atrato. Eu proporia às pessoas que o lessem. É muito interessante. 

Você também pode aprender mais sobre o rio Atrato aqui:

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange