Kit de imprensa - revelando a próxima legislação da UE para impedir o abuso corporativo - CIDSE

Kit de imprensa - revelando a próxima legislação da UE para impedir o abuso corporativo


Em março de 2021, o Parlamento Europeu (PE) adotou um resolução para um 'relatório de iniciativa legislativa' (INL), solicitando à Comissão Europeia que apresente uma proposta de diretiva sobre a devida diligência corporativa que, de acordo com as normas internacionais, responsabilize as empresas pelos seus direitos humanos e impactos ambientais ao longo das suas operações e cadeias de valor. Essa lei pode ter implicações significativas para as empresas que operam dentro e fora das fronteiras da UE. O PE sublinhou que as directrizes voluntárias se revelaram insuficientes para prevenir o abuso empresarial e alterar a conduta empresarial. A Comissão Europeia deverá apresentar uma proposta de diretiva em 2022, após a publicação da mesma ter sido adiada duas vezes em 2021.

A CIDSE e outras ONGs com ideias semelhantes têm defendido ativamente essa lei nos últimos anos. Em um Kit de imprensa criado pela mesma coligação, destacamos os principais pontos-chave que devem ser incluídos na futura legislação da UE, bem como uma análise exaustiva do seu significado através de estudos de caso e testemunhos. O documento está disponível em Inglês, Francês, Alemão e Espanhol.


O kit de imprensa apresenta questionamentos da sociedade civil, além de outras informações úteis. Isso inclui os resultados de uma enquete YouGov mostrando que a esmagadora maioria dos cidadãos da UE concordam que as empresas devem ser legalmente responsabilizadas por seus danos ao meio ambiente e aos direitos humanos, informações sobre as medidas que os governos nacionais estão tomando para regulamentar os impactos corporativos e as tentativas dos lobbies empresariais de minar ou diluir a lei. Esperamos que este press kit seja útil para jornalistas que procuram mais informações e uma variedade de recursos na cobertura dos debates que estão a decorrer em torno da futura proposta da Comissão Europeia, que se espera seja publicada em 2022.



Foto de crédito CIDSE-REPAM - AdobeStock _ 43276609

Compartilhe esse conteúdo nas mídias sociais
Protegido por miniOrange